Dois policiais da tropa de choque convocada para inibir os servidores públicos fizeram algo inédito na tarde desta quarta-feira (16), no Rio de Janeiro. Em um vídeo divulgado nas redes sociais, dois policiais são aplaudidos pelos profissionais porque se recusaram a atacar os servidores que protestam em frente à #ALERJ contra as medidas anunciadas pelo governo estadual para conter a crise. Com quase mil visualizações o vídeo se espalha na rede e ganha o apoio da população carioca. Os servidores abraçam, parabenizam e dão apoio aos policiais que abandonaram a tropa de choque. “Dois polícias (sic) da Choque abandonaram a repressão da #PM contra servidores públicos na Alerj”, escreveu o autor do vídeo.

Publicidade
Publicidade

Na tarde desta quarta-feira (16) os deputados votam na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) a aprovação do projeto, chamado pelos servidores de “pacote de maldades”, para conter a crise que afeta o estado do Rio de Janeiro. A proposta, que afeta principalmente o servidor público, é alvo de protestos dos profissionais de educação e segurança, que lotam agora a frente do prédio do Legislativo. Para reforçar a segurança a Alerj, no último fim de semana, cercou o prédio de grades para evitar a invasão dos profissionais no prédio do Legislativo, como aconteceu na última semana. O governo também convocou a tropa de choque e um helicóptero. Neste momento vários profissionais relatam abuso de autoridade e uso de gás lacrimogênio.

Entre as medidas a serem aprovadas estão o desconto de 30% dos vencimentos dos inativos para reforçar o caixa da previdência social, a suspensão de reajustes salariais já concedidos, o corte de gratificações pagas a comissionados, o fim de programas sociais, o aumento das alíquotas de contribuição previdenciária e a extinção de órgãos públicos.

Publicidade

Na semana passada servidores protestaram contra as medidas invadindo o prédio da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. Os deputados tiveram que sair pelos fundos do prédio. Luiz Fernando Pezão condenou a atitude dos profissionais. #protesto rio de janeiro