Que o mundo está cheio de pilantras e falsários não é nenhum segredo. Mas o que dizer de um pai que inventa o rapto da própria filha só para ficar com a grana do resgate?

Antes de o leitor pensar nos ‘adjetivos’ para classificar o cidadão, vamos ao fatos. Na manhã desta quinta-feira (22), a imprensa do Rio de Janeiro se mobilizou para noticiar o desaparecimento de uma criança de apenas um ano e seis meses. A história parecia dramática: a criança teria sido levada do colo do pai, em frente a casa da família, por um homem com tatuagens. O homem teria descido de um carro preto onde um dos ocupantes era uma mulher loira.

A criança é Sara Beatriz Barbosa Vitorino e o pai é Eder Vitorino Coelho.

Publicidade
Publicidade

Eder deu queixa à polícia, que imediatamente começou a investigar o caso.

Tudo teria acontecido na tarde desta quarta-feira (21), na Estrada Vitor Dumas, na comunidade Santa Cruz, que fica na Zona Oeste do Rio de Janeiro.

O que Eder não poderia supor é que teria dificuldades para sustentar a mentira mediante o empenho dos investigadores em coletar detalhes minuciosos para desvendar o caso. Na delegacia ele caiu em contradição e acabou confessando que simulou o sequestro para receber o resgate.

Sara Beatriz Barbosa Vitorino estava todo o tempo na casa de uma amiga. Conforme a Polícia Civil, na manhã desta quinta-feira (22), antes de confessar o crime, Eder disse aos parentes que recebeu um bilhete dos sequestradores exigindo R$ 5.700,00 para devolver a bebê. O avô da criança prontamente se ofereceu para dar a quantia pedida. O pai então aceitou e alegou que iria levar o montante para os bandidos e libertar da filha.

O mais inusitado é que Eder já tinha se envolvido em um caso duvidoso de sequestro no ano passado. A família chegou a comunicar o seu sequestro à polícia, mas ele retornou para casa três das após seu desaparecimento.

A criança voltou para casa na tarde desta quinta-feira (22). A família alegou que a menina foi localizada em um shopping, mas os policiais divulgaram à imprensa que Sara foi abandonada em uma estação de trem.

Com todos estes elementos mais o histórico duvidoso, Eder foi questionado e acabou confessando ter planejado tudo. Ele foi preso imediatamente, após ser autuado em flagrante por extorsão e falsa comunicação de crime. Se condenado, pode pegar pena de 10 e meio de reclusão.

A quantia utilizada para pagar o falso resgate já foi devolvida ao avô. Quando soube que Sara tinha sido encontrada, a mãe, Josilane Silva, celebrou aliviada a notícia no Facebook.

Horas antes ela havia publicado um post desesperado onde apelava por qualquer informação que pudesse ajudar a polícia a chegar ao paradeiro da filha.

Publicidade

No Facebook ela escreveu que a filha é tudo para ela e que sente que Deus não a tiraria da família.

Josilane ainda escreveu que não deseja esse drama na vida de ninguém. Contou que a criança é uma boa menina e que estava confiante de que ela logo voltaria para casa.

#Crime #Casos de polícia