No dia 30 dia dezembro, por volta das oito da noite, um casal de lésbicas relatou um ato de #Homofobia que aconteceu dentro do Centro Cultural Banco do Brasil, no Rio de Janeiro. O casal diz que estava em um espaço infantil, que fazia parte da exposição Mondrian e o Movimento de Stijl e o namorado de uma funcionária teria escrito “Fora Lésbica” em um quadro imantado para brincadeiras. De acordo com as frequentadoras, a funcionária também estaria fazendo parte das ofensas, mas não chegou a escrevê-las.

Segundo a postagem de uma das mulheres, tudo começou quando o casal entrou na área para crianças e começaram a brincar com as peças e escreveram, primeiramente, a palavra “MEU PAU”, no quadro.

Publicidade
Publicidade

A funcionária teria rido do que o namorado havia escrito. O casal tirou as palavras, visto que estavam em um espaço infantil, e decidiram sair da sala. “O cara que escreveu voltou outras vezes pra nos olhar”, diz o post do Facebook.

Quando elas estavam preparadas para irem embora, deram de cara com a mensagem homofóbica, no quadro de ímãs. Revoltadas, decidiram registrar uma reclamação, após serem orientadas por dois funcionários do local. O tempo inteiro que escrevia a reclamação ele ficou a menos de um metro de mim rasgando os papéis da caixa”, completou a moça.

O relato ainda diz que após escreverem a reclamação, o rapaz ainda teria ficado dentro do CCBB após o fim do expediente, esperando a namorada sair do trabalho. O texto foi compartilhado milhares de vezes e internautas estão dando nota 1 para o local, no Facebook, e pedindo uma explicação e medidas cabíveis aos dois.

Publicidade

“Todo dia um LGBT é morto e algumas pessoas simplesmente se sentem à vontade pra nos agredir”, finalizou.

O Centro Cultural Banco do Brasil deixou claro o total repúdio ao episódio de homofobia relatado e que o fato contraria os valores da instituição. A nota divulgada pelas redes sociais disse ainda que está apurando internamente o fato e que tomar todas as medidas legais e judiciais cabíveis e com a seriedade que a situação exige.

Veja o post na íntegra:

#Rio de Janeiro