A Avenida Brasil, que liga várias a Baixada Fluminense e Zona Norte ao Centro da cidade do Rio de Janeiro, foi novamente palco de crimes. O último caso a engordar as estatísticas de violência envolvendo a via expressa em 2016 acabou de forma trágica para um dos bandidos.

Na tarde deste sábado (31), a poucas horas da chegada do novo ano, um criminoso foi morto após tentar assaltar um policial militar que estava à paisana.

A abordagem foi feita por uma dupla de criminosos em uma motocicleta. O agente reagiu e atingiu um dos meliantes, que morreu na hora.

O caso ocorreu na altura do bairro da Penha, localizado na Zona Norte da capital.

Publicidade
Publicidade

De acordo com informações da Delegacia de Homicídios (DH), após reagir e matar um dos criminosos, o policial militar ainda conseguiu dominar e prender o outro bandido.

A polícia não divulgou mais detalhes do caso. Não há informação sobre como teria sido a abordagem criminosa. Pela imagem publicada no Jornal Extra é possível ver que o corpo do marginal atingido ficou estirado por algum tempo no asfalto, em área isolada.

Avenida da morte

A Avenida Brasil é considerada uma das mais violentas do Brasil. Muitos suspeitos morrem nesta via expressa tentando praticar delitos, mas também há diversos policiais que perderam a vida em confrontos no local.

De acordo com o Blog de Roberta Trindade, especializado em jornalismo policial, em 2016, 388 policiais foram baleados e 109 morreram no Rio de Janeiro.

Publicidade

Na Avenida Brasil sete mortes de PMs foram registradas. Outros quatro agentes foram baleados e sobreviveram.

No dia 4 de fevereiro, um subtenente reformado - Valmir Crisóstomo Ramos -morreu depois de ser atingido em tentativa de assalto próximo ao viaduto de Benfica. Exatamente um mês depois, outro PM foi morto. Desta vez, a vítima foi o subtenente Paulo Fernando Alves da Silva, que tomou um tiro ao reagir a uma tentativa de assalto, na altura da Francisco Bicalho. O assaltante, baleado nas costas, foi preso.

No dia 2 de abril, o soldado Erinaldo Rodrigues Lopes morreu nas mesmas circunstâncias: reagiu a um assalto. Ele estava em um posto de combustíveis.

Dezessete dias depois um policial civil (Rivagner Batista dos Santos) também foi baleado e morto ao reagir a um assalto. Em 15 e 26 de junho as vítimas fatais foram os PMs Eduardo Araújo de Souza e José Josenilson Alves dos Santos. O primeiro estava em serviço e o segundo estava a caminho.

Por fim , em 16 de setembro, o soldado Antônio Eduardo Matsumoto Costa morreu em serviço, durante abordagem policial. #Crime #Casos de polícia