Policiais civis realizaram #Manifestação com cartazes no Aeroporto Internacional do Galeão Antônio Carlos Jobim, Ilha do governador. Zona Norte do #Rio de Janeiro, nesta quinta-feira (16), entre 8h e 10h da manhã, reivindicando melhorias trabalhistas.

O Sinpol (Sindicato dos Policiais Civis do Rio) colaborou com a distribuição dos panfletos apontando os principais motivos da paralisação. Tanto os informativos quanto os banners trouxeram mensagens em português e em inglês diante do portão de desembarque internacional, alertando os turistas nacionais e estrangeiros que o Carnaval não terá a segurança necessária neste ano.

Segundo o sindicato, a categoria está em greve desde 16 de janeiro.

Publicidade
Publicidade

Inicialmente, a suspensão teria uma duração temporária de 72 horas, mas atualmente não tem data prevista para o término, isso até que as exigências sejam regularizadas.

A justificativa está relacionada às péssimas condições trabalhistas, atrasos de 13º salário e horas-extras trabalhadas durante as folgas, que estão em atraso desde agosto passado, falta do reajuste salarial previsto em lei e da premiação por metas desde dezembro de 2015, além das viaturas em situações precárias.

Os agentes também reforçam o fato de que mais de 100 policiais foram mortos no ano passado. O Sindicato dos Policiais Civis divulgou que só serão atendidos chamados considerados graves, os demais serão desconsiderados.

Os servidores da área de segurança em geral e ativos da educação receberam o pagamento referente ao mês de janeiro nesta terça-feira (14). De acordo com o Tesouro Estadual, quem não recebeu o salário de janeiro integralmente, terá que esperar o fim do Carnaval para que seja depositado o restante do valor.

Publicidade

Segundo a Secretaria Estadual da Fazenda, o restante das bonificações ainda não tem previsão para pagamento.

A administração do aeroporto (concessionária Rio Galeão) afirma que não houve nenhum tipo de confusão durante a manifestação, que foi pacífica, e apontam que a operação durante o período ocorreu normalmente, sem nenhum tipo de interferência dos manifestantes. #Casos de polícia