Um policial civil lotado na Coordenadoria de Recursos Especiais (CORE) da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro (PCERJ) efetuou disparos de arma de fogo, nesta quarta-feira, 1º, contra policiais militares do Batalhão de Polícia de Choque (BPChq) da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (#PMERJ) durante protesto de servidores no Centro da capital carioca.

Segundo a Assessoria de Imprensa da PMERJ, o policial civil, identificado como Wandre Nicolau de Souza, lotado na CORE, efetuou os disparos de arma de fogo contra os policiais militares na esquina da Avenida Nilo Peçanha com a Avenida Rio Branco, no Centro do Rio de Janeiro, e se evadiu do local do crime usando o metrô.

Publicidade
Publicidade

No entanto, foi capturado e preso ao sair na estação Jardim Oceânico, na Barra da Tijuca.

Com o policial civil foi encontrada a arma do crime, uma pistola da marca Glock, calibre .40, ainda com as munições faltando no carregador da pistola em tela. Cabe ressaltar que, o policial em questão, estava sendo monitorado desde o momento dos disparos no Centro do Rio. Após preso em flagrante delito, o mesmo confessou o crime e, por determinação do Chefe do Estado Maior da PMERJ, foi conduzido à Corregedoria Interna da Polícia Civil (Coinpol) para autuação.

O protesto dos servidores estaduais

O policial civil Wandre Nicolau de Souza estava entre os manifestantes do #Protesto dos servidores estaduais contra o pacote de medidas de austeridade fiscal, apresentada pelo governador Luiz Fernando de Souza, Pezão, à Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (ALERJ), como alternativa para solucionar a crise financeira do Estado do Rio de Janeiro.

Publicidade

Contudo, esse protesto, o terceiro do ano, foi marcado por atos de violência, inclusive, um ônibus foi incendiado entre a Avenida Rio Branco e a Rua da Assembleia.

Entre as medidas apresentadas pelo governo, os servidores estaduais estão contra o aumento da tarifa fixa previdenciária de 11% para 14%, além de uma alíquota extra de mais 8% durante três anos, que ainda pode ser prorrogada por mais três anos. #PolicialCivilPreso