Uma criança de apenas 7 anos de idade foi vítima de uma #bala perdida no #Rio de Janeiro. A DH (Divisão de Homicídios) está investigando para saber se o disparo que tirou a vida dessa criança partiu mesmo de um traficante. Fernanda Adriana estudava na rede municipal de ensino. A garotinha estava brincando no terraço de casa, na comunidade Parque União, no momento em que foi atingida por uma bala perdida.

A criança foi levada para o Hospital Geral de Bonsucesso, porém, ela não resistiu ao ferimento e faleceu. O projétil causou uma perfuração no ombro esquerdo e consequentemente atingiu o coração. A fatalidade aconteceu na última quarta-feira, 15, por volta das 20 horas, exatamente no dia que ela não foi a escola, por conta de intensos confrontos entre traficantes.

Publicidade
Publicidade

No ano passado também ocorreram grandes confrontos entre traficantes e as unidades de ensino não funcionaram por 72 dias devido aos tiroteios.

No dia que a menina morreu, a PM não realizou operações no Complexo da Maré, apesar de a guerra do tráfico ter iniciado já pela manhã.

Agentes da DH e da 21ª DP (Bonsucesso), na manhã desta quinta-feira (16), realizaram uma perícia na casa onde a criança morava, na Rua Dárcio Vargas. De acordo com um deles, a bala que causou a morte de Fernanda no Parque União partiu do alto do Morro do Timbau, também no Complexo da Maré. A guerra entre os traficantes da comunidade com bandidos de uma favela vizinha, Nova Holanda, teve início em novembro do ano passado e se estende até hoje.

Uma quadrilha da Nova Holanda tinha entrado na comunidade por volta de 5 horas da manhã, na Baixa do Sapateiro, onde as bocas de fumo são controladas pela mesma quadrilha que age no Timbau, e deram início ao confronto que acabou com três homens baleados, de acordo com os moradores.

Publicidade

Segundo os policiais, no final da tarde houve um revide e um dos disparos que foram realizados em direção a Nova Holanda chegou ao Parque União, onde Fernanda estava.

A tia de Fernanda, que mudou a foto do seu perfil pela imagem da menina, escreveu: “Minha sobrinha, como pode Senhor, não estou aceitando isso, não acredito. Logo minha bonequinha”. A madrinha da garota, Denise Pacheco, afirmou que a mesma iria fazer a primeira comunhão e que teria lhe pedido um vestido bonitão rosa. Denise ainda disse que a garotinha será enterrada como uma verdadeira princesa.

Thayana Santos, mãe da criança, que está muito abalada, disse que o sonho da menina era ser veterinária e que ela era vaidosa e alegre. Moradores daquela região lamentaram a tragédia e reclamaram da falta de segurança no local. Muitos comentários nas redes sociais demonstram total indignação por parte dos moradores.

De acordo com o levantamento da ONG Rio Pede Paz, essa é a segunda criança vítima de bala perdida no Rio de Janeiro este ano.

Publicidade

Na última década, mais de 30 crianças tiveram suas vidas ceifadas deste modo, de acordo com a pesquisa.

Os confrontos entre as facções podem continuar. Elas lutam pelo poder, na tentativa de controlar um número ainda maior de bocas de fumos. Esses confrontos no Rio de Janeiro acontecem de forma frequente, em várias outras comunidades. #Violência