Mais uma menina é vítima de estupro coletivo no Brasil, mais precisamente na Baixada Fluminense, Rio de Janeiro.

A menina tem 12 anos e, ao que parece, o #Estupro ocorreu no último domingo. A denúncia aconteceu nesta sexta-feira (05), através de uma tia da #Jovem e o caso está atualmente correndo pela Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (Dcav).

A delegada responsável, Juliana Emerique, diz que pretende não divulgar maiores detalhes sobre o caso até que sejam apurados os fatos e culpados do crime, e faz um apelo para que quem conheça os autores desse ato desumano, denuncie.

Segundo os investigadores, ainda não é certa a procedência do encontro entre a menina e os jovens, porém, o crime foi totalmente registrado em um vídeo que mostra cerca de 5 jovens totalmente sem roupa estuprando a menina.

Publicidade
Publicidade

No vídeo, a menina clama por socorro e pede para que os jovens parem, mas os mesmos prosseguem com as agressões e humilhações contra a jovem.

Um dos agressores chega a falar, “Cala a boca. Vão ficar ouvindo a sua voz e vão saber que é tu”.

Enquanto outro completa, “Tapa o rosto da novinha”.

A delegada declarou que agora está focada em descobrir os autores do crime e se são maiores de idade. Segundo a mesma, a vítima conhece apenas um dos agressores, conforme informações de sua tia.

É necessário que, nesse momento, a menina seja localizada e levada à delegacia para prestar depoimento e fazer corpo de delito. Sua tia contou à delegada que sua sobrinha está completamente apavorada, já que onde elas vivem é local de tráfico de drogas e a comunidade tem muitos traficantes, mas não é certo de que os agressores sejam envolvidos com o tráfico local.

Publicidade

É fato que as imagens já comprovam o estupro, e como a menina tem apenas 12 anos, é considerado estupro de vulnerável, para o qual as penas variam de 8 a 15 anos de cadeia.

Através das imagens, é possível perceber que o crime foi idealizado. O local aparenta ser uma casa que possuía estrategicamente colchonetes, lençóis e travesseiros em um certo espaço, justamente para que fosse realizado o crime.

Agora, cabe também à #Polícia Civil investigar de quem seria essa moradia e até mesmo se o dono do local está envolvido no estupro.

Como o vídeo do crime foi postado por uma página de Facebook, seus administradores serão chamados para depor por terem compartilhado nas redes as imagens do crime e ainda podem responder por divulgarem imagens pornográficas.

Qualquer nova informação sobre esse caso pode ser encaminhada para a Delegacia através do Disque-Denúncia (2253-1177) ou do número 100.