Praticamente seis meses sem o 13º salário referente ao ano de 2016, os #servidores estaduais do Rio de Janeiro continuam sem recebê-lo, e ainda amargam três anos sem reajustes salariais.

Para piorar a situação, na semana passada foi aprovada na quarta-feira (24) o aumento da taxa de #contribuição previdenciária para 14% após uma votação na Assembleia Legislativa na qual 39 deputados estaduais deram seu sim.

Protestos contra o aumento

Os servidores que acompanhavam o pleito não deixaram por menos e organizaram uma manifestação contrária e alguns manifestantes tentaram entrar à força na Alerj, porém, os policiais militares presentes fizeram uso de bombas de efeito moral e gás de pimenta para contê-los.

Publicidade
Publicidade

Vários prejuízos ocorreram na região, como veículos de propriedade de alguns parlamentares, pessoas que não participavam do protesto sofreram com a propagação do gás de pimenta acionado pela PM, o trânsito nos arredores ficou confuso e o comércio local optou por fechar as portas de seus estabelecimentos, evitando, assim, os eminentes danos.

No dia 20 de março, foi divulgado que, finalmente, cerca de 150 mil funcionários públicos estaduais do Rio de Janeiro, incluindo os que já se aposentaram e os que recebem pensão, iriam receber o que lhes é de direito.

A autarquia Rioprevidência divulgou a seguinte nota oficial na ocasião:

"Receberão o 13º salário integral referente a 2016, 146 mil servidores aposentados e pensionistas que têm vencimento bruto de até R$ 3.200. O valor bruto a ser depositado será de R$ 254,7 milhões.

Publicidade

O quantitativo representa 58% do total de inativos e pensionistas do Estado. Os pagamentos serão realizados, integralmente, ainda hoje."

Sérgio Cabral e Pezão

Vale ressaltar que o ex-governador Sérgio Cabral Filho, um dos responsáveis pelo caos econômico e financeiro do Estado do Rio de Janeiro, está preso agora no BEP de Benfica, que é destinada a abrigar detentos que possuem diploma de nível superior e inadimplentes quanto às pensões alimentícias. O ex-governador é formado em comunicação e jornalismo.

A BEP estava passando por reformas e agora se encontra em condições de funcionamento. Só da Operação Lava Jato, Cabral responde por nove processos e uma das acusações contra ele é a responsabilidade por ter desviado mais de R$ 20 milhões oriundos de contratos com várias obras no Estado, uma delas na reforma do Estádio Maracanã.

Cabral, que teve como bandeira a atenção e o respeito à terceira idade nas suas campanhas, caso seja condenado por todos os seus crimes, sua sentença poderá ultrapassar 500 anos de cadeia, segundo os especialistas jurídicos.

O governador atual Luiz Fernando Pezão também está sendo alvo da justiça. O Tribunal de Contas do Estado pede que a #ALERJ rejeite as contas de Pezão por questão de irregularidades. Em vista disso, pedidos de impeachment do governador atual já foram protocolados, fato que fora aprovado pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) no dia 4 de maio.