O caso do pequeno Arthur - o bebê que vitimado por uma #bala perdida dentro da barriga da mãe, há um mês - comoveu o Brasil inteiro. A princípio, o bebezinho corria o risco de ficar paraplégico, mas, segundo o prognóstico dos médicos, iria sobreviver. Infelizmente, não foi isso que aconteceu e, na tarde deste domingo (30), Arthur veio a óbito, para a tristeza de seus pais e de todos que torciam pela sua recuperação.

Segundo informações do jornal "O Globo", Arthur faleceu às 14h05, em função do agravamento de seu quadro de saúde. De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde, o bebê teve uma hemorragia nesta madrugada, o que acabou agravando o estado da saúde do menino e o levando a óbito.

Publicidade
Publicidade

Opinião pública lamenta: "Mais uma vítima da violência"

Nas redes sociais, muitas pessoas lamentaram a morte do bebê e atribuíram o fato à violência crescente que assola o país e, principalmente, o #rio de Janeiro.

"A morte do menino Arthur, baleado ainda no ventre da mãe, é um tapa na nossa cara. De tão violentos, ameaçamos até que ainda não nasceu", disse o jornalista da TV Escola, Murilo Ribeiro.

"O bebê atingindo por um tiro na barriga da mãe, faleceu... Uma criança que antes de nascer, perdeu o direito de viver!!!!", afirmou um outro internauta, na rede social Twitter.

Hospital lamenta morte de Arthur

A direção do Hospital Estadual Adão Pereira Nunes, onde Arthur estava internado, divulgou uma nota lamentando a morte do bebê.

Publicidade

De acordo com informações contidas na nota, o menino veio a óbito após o seu quadro clínico ser agravado por uma hemorragia digestiva intensa, ocorrida às 5h30 deste domingo.

A nota ainda revela que os familiares do menino foram informados e estiveram no hospital ainda pela manhã. Na ocasião, eles receberam todas as informações relacionadas ao estado de saúde do bebê, considerado gravíssimo. "Todos os procedimentos para reverter o quadro foram adotados, porém, não houve resposta clinica do paciente", informou a nota.

Bebê e sua mãe foram baleados durante tiroteio em Duque de Caxias

O caso que vitimou o #bebê Arthur chocou o Brasil inteiro. Tudo aconteceu há exatamente um mês, durante um tiroteio entre traficantes e policiais militares na Favela do Lixão, na cidade de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. O incidente aconteceu no dia 30 de junho, quando a mãe de Arthur, a gestante Claudineia dos Santos Melo, foi baleada. Arthur, que estava no ventre da mãe, acabou sendo atingido.

Ao serem atingidos, mãe e filho foram encaminhados para o Hospital Moacyr do Carmo.

Publicidade

Lá, os médicos conseguiram salvar as vidas dos dois, através de uma cesárea de emergência.

Após a cesárea, Arthur foi transferido para o Hospital Estadual Adão Pereira Nunes, onde permaneceu até falecer. Em laudos médicos anteriores ao agravamento do quadro clínico do bebê, foi levantada a possibilidade de o menino ficar paraplégico, o que não acabou se confirmando, em função de sua morte.

Tiro partiu de traficantes

A Polícia Civil constatou, através de perícia, que o tiro que atingiu Claudineia e o bebê Arthur foi desferido por traficantes da Favela do Lixão, onde o crime aconteceu. A perícia é fruto de uma simulação feita no local do crime no último dia 14. A constatação foi baseada no posicionamento dos PMs que estavam na cena do crime, assim como dos traficantes, que estavam dentro da comunidade.