A #Violência faz mais de 500 vítimas internadas por ferimentos à bala por ano na cidade do #Rio de Janeiro. Em 2016, foram registradas 504 vítimas desse tipo de violência no Hospital Salgado Filho. Os motivos são os mais diversos, desde vítimas de balas perdidas, tiroteios, brigas, entre muitos outros casos.

De janeiro a junho deste ano, já foram registradas 409 pessoas baleadas no mesmo hospital. São vítimas de alguma violência. O que chama a atenção, além do alto número, é que os médicos dizem que as vítimas têm sido atingidas por armas mais potentes.

Violência expressa

Nesta quarta-feira à noite (26), o jornalista Caco Barcelos e sua equipe do ‘’Profissão Repórter’’, da Rede Globo, apresentaram a reportagem acompanhando uma noite na emergência do Hospital Municipal Salgado Filho.

Publicidade
Publicidade

Uma pessoa baleada que foi atendida é policial ferido na perna. Ele disse que estava em um karaokê quando foi atingido inesperadamente.

Outra situação mostrada no programa é de um rapaz esfaqueado na cabeça, sendo perguntado o que ele fez pra sofrer essa crueldade. O rapaz respondeu que estava em um bar com amigos, tomando uma cerveja, quando um homem se aproximou e começa a querer brigar. Ele, então, tentou apaziguar o homem e acabou sendo esfaqueado na cabeça. No hospital, a vítima, chorando, pediu desculpa para a mãe por ter tentando fazer com que o homem não brigasse.

Situações das vítimas

O Hospital Geral de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, na Grande Rio, registrou, em 2016, 475 pessoas baleadas. Até julho deste ano, já são confirmados 410 casos, todos de vítimas de violência. Em uma entrevista, uma mulher que trabalha no hospital mostrou mais de quatro caixas com os mais variados projéteis retirados dos pacientes que chegam conscientes ao hospital.

Publicidade

Durante o período de cinco dias, entre uma segunda e sexta-feira, o hospital recebeu sete pacientes baleados. A funcionária ainda conta que #2017 vai ultrapassar a escala da violência no Rio De Janeiro, pois não está sendo fácil atender tantas vítimas, chegando com tudo o que é tipo de ferimentos, de todo lado.

Em Duque de Caxias, também no Rio, o ‘’Profissão Repórter’’ mostrou a situação de uma mulher com o filho atingido por uma bala perdida no joelho durante uma troca de tiros na comunidade onde moram. O menino estava soltando pipa na laje de casa quando foi atingido. Desesperada, a irmã ainda conta que estava superando um trauma devido à perda de uma irmã na mesma comunidade, vítima de bala perdida, e agora o menino foi baleado. Porém, dessa vez, o garoto, depois de ser atendido, passa bem.