Publicidade
Publicidade

No início da manhã deste último sábado (23), aconteceu o segundo dia de confronto no Rio de Janeiro. A #Polícia está trabalhando em conjunto com as Forças Armadas para combater os traficantes na comunidade da Rocinha [VIDEO]. Durante o cerco realizado pelos representantes da lei, houve uma tentativa de fuga dos bandidos. O resultado do trabalho realizado foi a apreensão de 18 fuzis, 7 granadas, 3 mortes e 9 presos. Um adolescente acabou ficando ferido por bala perdida.

Na período da tarde foram ouvidos barulhos de disparos de arma de fogo na comunidade. Desde a última sexta-feira (22) quase 1.000 militares estão empenhados nessa força-tarefa, numa tentativa de impedir uma guerra entre facções rivais na favela da Rocinha.

Publicidade

A polícia trabalha com a possibilidade de que Rogério 157, um dos chefes do tráfico, possa ter retornado para a comunidade.

Em entrevista, os agentes de segurança declararam que continuarão atuando na favela por tempo indeterminado. Além disso, eles solicitaram a colaboração dos moradores para ajudar na localização de bandidos que por ventura estejam escondidos na mata.

Roberto Sá, secretário de Segurança, também se pronunciou e pediu para que todas as casas da comunidade da Rocinha sejam revistadas pelos policiais.

De acordo com as informações do portal de notícias G1, foi proibido transitar de veículos automotores pela comunidade.

Boatos

De acordo com o secretário, há boatos a respeito da disputa de território entre o traficante “Rogério 157” e Antônio Bonfim Lopes, “o Nem” [VIDEO]que está detido penitenciária federal de Porto Velho [VIDEO] (RO).

Publicidade

O detalhe intrigante nessa história é que Rogério 157 já foi homem de total confiança de Nem, porém, atualmente, eles estão de lados opostos.

O general Sinto ressaltou durante uma entrevista, que os moradores podem dar uma boa contribuição para a Justiça fazendo denúncias anônimas. No entanto, deixou claro que entende o medo da maioria dos moradores. Muitos ficam com medo de denunciar e sofrer retaliações do comando do tráfico.

O general ainda afirmou que, no geral, avalia como positivo o resultado da operação. Segundo ele, o bom resultado também depende da população. Isso para que o trabalho da polícia seja eficaz no combate ao crime organizado dentro da Rocinha, não só durante a operação, mas, principalmente, após a retirada das forças militares da comunidade.

Com um cenário parecendo de cenas tiradas de um filme, o resultado positivo dessa operação foi que a polícia conseguiu efetuar a prisão de alguns traficantes, embora outros tenham conseguido escapar. Desta forma foram apreendidos armamentos pesados de guerra, como fuzis, AK-47, e calibre 7.62, granadas, munições, radiotransmissores, documentos da contabilidade do crime, certa quantidade de entorpecente, a dinheiro vivo.

Neste domingo (24), terceiro dia de confronto na favela da Rocinha, o clima esteve mais tranquilo com o exército atuando na comunidade. #riodejaneiro #Polícia Federal