Publicidade
Publicidade

Segundo o documento de defesa feito pelo advogado dos #religiosos que fazem parte da Igreja Batista do Méier, que foram citados como sendo as pessoas que doaram e mandaram instalar o cinemateca na prisão onde o ex-#Governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, eles assinaram o documento por indução do ex-governador.

Segundo o advogado [VIDEO] de defesa, Heckel Garcez, Cabral teria feito esse pedido, depois de um culto realizado.

Esses papéis autorizavam a respectiva doação de objetos eletrônicos em nome da própria Igreja Batista.

Segundo a advogado dos religiosos [VIDEO], na terça-feira dia 27 de outubro, eles teriam sido chamados pelo ex-governador para uma conversa na biblioteca da prisão.

Publicidade

Quando chegaram ao local, Cabral teria dito que precisava de um representante de alguma instituição religiosa ou filantrópica para assinar uns papéis de doação.

Essa doação seria de uma TV de Led, Smart de 65 polegadas, com acesso a internet por meio de wi-fi, um aparelho de som de 5.1 canais, que já se encontrava até no local segundo foi dito ao pastor, e um Blu-ray Player 3D.

O ex-governador mencionou aos religiosos que o diretor da prisão teria dito que os aparelhos só poderiam ser aceitos se fosse através de um documento de doação e que esses equipamentos seriam de uso coletivo, como é feito em outras prisões que usam os aparelhos para passar programas educativos aos presos.

O advogado dos religiosos escreveu em uma rede social que esse ato é aceito na Lei de Execução Penal, e que esses aparelhos estariam ajudando na ressocialização dos presos e, por conta disso, visando o bem maior de todos, concordou em assinar os papéis.

Publicidade

O defensor dos religiosos também disse que os capelães e as missionárias ali no momento não conseguiram perceber nenhuma "má fé" em relação ao pedido e por isso assinaram.

Segundo os pastores, quem teria feito o documento seria um detento e que só faltava a assinatura dos membros da igreja para que os papéis fossem legítimos.

“O que aconteceu foi que todos os religiosos foram enganados e induzidos ao erro de assinar a doação, se é que esse documento tem algum tipo de validade, já que os únicos que podem ter legitimidade para isso são a presidência e a diretoria da instituição'', afirma o advogado.

“Todos eles foram enganados já que o verdadeiro foco nunca foi para beneficiar todos os presos e sim, somente o preso Sérgio Cabral”, adiciona Heckel Garces, advogado de defesa dos religiosos.

Depois da repercussão do caso, o pastor Serejo e a missionária Clotilde foram afastados das missões voluntárias no presídio de Benfica pelo presidente da igreja, o pastor João Reinaldo Purin.

Foi dito por Purin que os dois são muito queridos pela comunidade e que já são muito idosos, Serejo tem 65 anos e Clotilde 78, e estão com uma carga emocional muito forte.

Publicidade

“Eles foram completamente induzidos a assinarem essa doação e não agiram de má fé”, disse Purin.

A assessoria de imprensa da Secretaria de Administração Penitenciária do Rio também se diz enganada e lamenta muito todos os fatos, se mostrando decepcionada.

Devido ao episódio ocorrido, benefícios como televisão nas celas dos presos e atividades esportivas nesta unidade prisional, previstas por lei, tiveram 30 dias de suspensão. E foi proibido também os trabalhos missionários dessa igreja em todas as unidades prisionais.

O advogado de Sérgio Cabral foi procurado para esclarecimentos, mas ainda não se pronunciou. #enganou