Nos últimos dias, têm sido noticiados vários casos de pessoas vindo a óbito devido a ataques homofóbicos. Leonardo Moura é a mais nova vítima, segundo familiares e amigos. O rapaz morreu na manhã desta segunda-feia (11).  O promotor de eventos e estudante, de 29 anos, teria sido vítima de um ataque na madrugada do último sábado (9), após sair da boate San Sebastian, no Bairro Rio Vermelho, em Salvador.  Essa seria a causa do ataque, de acordo com as pessoas próximas, visto que nenhum dos seus pertences foi levado. 

Leonardo foi atacado por volta de 5h30 da manhã, a 1 km da boate, após se despedir de um amigo e ter seguido uma direção oposta, indo pela rua da Paciência.

Publicidade
Publicidade

O estudante foi encontrado por populares caído no chão com muitos ferimentos e desacordado. A vítima foi encaminhada ao Hospital Geral do Estado pelo SAMU. 

De acordo com o amigo de infância, Afonso Leiro, ele foi levado ao hospital, mas foi liberado pouco depois. Já em casa, ele voltou a sentir fortes dores e teve que retornar para o hospital, onde foi constatado que tinha sofrido graves lesões nos rins e foi submetido a uma cirurgia. Durante o fim de semana, Leonardo chegou a apresentar uma melhora no quadro de saúde e conseguia se comunicar, mas afirmou não se lembrar do que teria acontecido no dia do ataque. Porém, o quadro mudou e o rapaz veio a óbito na manhã desta segunda-feira. 

De acordo com a irmã, Léo era um rapaz tranquilo e não tinha envolvimento com drogas ou crimes. Os amigos informaram que antes de ir para a boate, o rapaz participou de uma confraternização com amigos.

Publicidade

Afonso ressaltou que o amigo era uma pessoa do bem, bom amigo e pacífico, que foi crueldade o que fizeram com ele, espancando-o para matar. Outro amigo da vítima, Vinícius Sapucaia, se disse chocado com o que aconteceu, visto que ele não teve chance para se defender. 

O corpo de Leonardo foi encaminhado para o Instituto Médico Legal e, de acordo com a Polícia Civil, uma equipe do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa ficará responsável pela investigação do caso.   #Crime #Casos de polícia #Homofobia