Um grupo de estudantes secundaristas que participou de uma manifestação a favor da presidente Dilma Rousseff, na última quinta-feira, 22, viveu momentos de tensão na volta para casa. O grupo, formado por aproximadamente 15 pessoas, se dirigiu à Estação da Lapa, no centro de Salvador, para utilizar o sistema de transporte público da cidade. No local, decidiram começar uma pequena manifestação contra o impeachment de Dilma Russeff. Poucos minutos após começarem a falar palavras de ordem, um segurança da estação interpelou o grupo, pedindo o fim do protesto.

"Como não nos calamos, este segurança passou um rádio chamando outros seguranças, que chegaram na maior grosseria.

Publicidade
Publicidade

Continuamos insistindo no nosso direito de nos manifestarmos, até que um dos seguranças começou a me agredir, bastante exaltado. Disse que eu tinha de virar homem, me chamou de 'viadinho', entre outras ofensas", revela Ramon Motta, que é diretor de políticas LGBT de movimentos estudantis. 

A situação, que já era ruim, ficou ainda pior quando um outro rapaz, que não se identificou como segurança e não estava fardado, partiu pra cima do grupo e desferiu socos contra Ramon. Os seguranças nada fizeram contra o agressor. "Eles protegeram o agressor. Como é que esse homem me agride e ninguém faz nada?", questiona Ramon. Uma pessoa que estava passando pelo local gravou parte da confusão. Assista:

Outras pessoas tentaram gravar as agressões homofóbicas, mas os seguranças agiram com truculência e tomaram os celulares.

Publicidade

No vídeo acima é possível ver o momento em que um dos seguranças, já no final da gravação, parte pra cima da pessoa que está filmando a confusão e ameaça: "me dê um motivo aí pra lhe (sic) bater". A gravação então é interrompida.

O grupo de jovens procurou o chefe da segurança do estabelecimento, mas foi informado de que o responsável não estava lá. "Prestei queixa na 1ª delegacia dos Barris. Temos o boletim de ocorrência, mas os policiais não quiseram fazer o exame de corpo de delito. Enfim, é o descaso que impera em nosso país", diz Ramon. #Homofobia #LGBT