A cena é repetida em milhares de cidades, nas praças, nas ruas, nos shoppings, nas escolas, nos supermercados e nos transportes coletivos. Desta vez, uma jovem que foi assediada e xingada de gostosa resolveu não ficar calada. A moça, que tem 21 anos, filmou a cara de seu agressor, um cobrador de ônibus de Salvador.

A vítima, que prefere ser identificada apenas pelo primeiro nome, Natália, ouviu após entrar no coletivo e passar pela catraca, o funcionário da empresa de transporte chamando-a de gostosa. E ainda completou: “o que que é isso”, olhando fixamente para as nádegas da jovem.

Ela conta que protestou e que como resposta ouviu que se ela não queria ser tratada daquela forma, não deveria usar short curto.

Publicidade
Publicidade

Disse que ainda foi chamada de “puta” pelo funcionário.

Foi o suficiente para aumentar a indignação da moça, que resolveu filmar o rosto do suspeito e dizer que ele não tinha o direito de agir daquela forma. Ele também passou a filmá-la. Em um momento, bateu em seu braço para impedi-la de continuar registrando. 

Muito transtornada, a jovem disse que no dia seguinte o assediador iria receber sua intimação e o chamou de machista escroto.

O ônibus pertence ao consórcio Integra CSN e fazia a linha Daniel Lisboa x Barra. Toda a cena aconteceu na noite da última segunda-feira (31).

Além de gravar o vídeo, a estudante publicou um desabafo nas redes sociais na mesma noite. Disse no post que é mulher e que tem o direito de usar a roupa que quiser.  Prometeu que não deixaria a situação passar em branco, em nome de outras mulheres que diariamente são obrigadas a passar pelo mesmo constrangimento.

Publicidade

E no dia seguinte, dia 1º, a moça registrou boletim de ocorrência por assédio sexual e agressão na 1ª Delegacia Territorial (DT) dos Barris.

O delegado responsável pelo caso solicitou à Natália o nome do rodoviário. Ela foi até a empresa de transporte e contou que uma funcionária se negou a passar os dados do profissional, orientando-a, inclusive, abrir mão da queixa.

À imprensa local, a moça contou toda a história e reforçou que vai seguir com o processo em frente.

#Crime #Casos de polícia