Um homem foi preso pelas autoridades na noite de quinta-feira (23), no bairro do Bonfim, suspeito de sequestrar e violentar sexualmente uma mulher no bairro Pituaçu, em #Salvador, na Bahia. O acusado foi identificado pela polícia como Luã José Pinto dos Santos, cujo a idade não foi revelada pela polícia. Ele é soldado da #Polícia Militar local. O acusado negou todas as acusações.

Segundo informações repassadas pela polícia, o crime aconteceu na quinta-feira (16); a vítima estava andando pela rua quando foi surpreendida pelos quatro acusados dentro de um veículo. Em seguida, ela foi colocada dentro do automóvel e levada para um cativeiro, onde foi violentada sexualmente pelos acusados.

Após quatro dias, já na segunda-feira (20), ela foi liberada na BR-324, próximo a uma praça de pedágio, depois que os seus familiares pagaram o resgate exigido pelos suspeitos, que foram dois carros, um Corolla e um HB 20, e mais R$ 4 mil reais.

Conforme informações do delegado Cleandro Pimenta, do Draco, o policial militar foi encontrado na rua do Céu, no bairro Bonfim, dentro do veículo Corolla que foi entregue pela família da vítima como forma de pagamento pelo seu resgate. Ele foi preso e encaminhado para a delegacia da cidade para prestar depoimento.

Conforme consta em seu depoimento, o PM negou ter participado do crime e relatou para a polícia que não se recordava do que tinha feito na semana que aconteceu o sequestro da vítima. Mas, de acordo com a polícia, a vítima reconheceu Luã como sendo um dos envolvidos no crime.

O soldado Luã é lotado na 14ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM/Lobato). Após prestar depoimento, ele foi encaminhado para o Batalhão da Polícia Militar, na cidade de Lauro de Freitas, onde permanece preso e ficará à disposição da Justiça para tomar as medidas necessárias dentro da lei.

Já os outros três acusados de também terem praticado o crime ainda estão foragidos da polícia, mas os investigadores já informaram que estão trabalhando para localizar e prender os mesmos para que eles possam pagar pelos seus atos. #Estupro