Uma polêmica deixou a cantora Daniela Mercury e os foliões do #Carnaval de Salvador em pé de guerra.

Tudo aconteceu em um desfile voltado para os chamados foliões pipocas, no circuito da Barra, nesta terça-feira (1º). A cantora teria um trajeto a cumprir, que foi interrompido e depois retomado após muitas reclamações dos participantes presentes. Para a assessoria de imprensa de Daniela Mercury, no entanto, tudo não passou de um mal entendido.

Daniela ficou pouco mais de cinco horas em cima do trio elétrico e, ao chegar em um ponto que fica há alguns metros do final, finalizou o show.

O término do desfile ocorreu diante do camarote da Polícia Militar, para só recomeçar alguns metros adiante.

Publicidade
Publicidade

Isso imediatamente levantou especulações nas redes sociais de que a artista não quis tocar na frente do local privado.

A assessoria de imprensa da cantora rechaçou os comentários e vídeos dos foliões revoltados com a teoria. O órgão ressaltou que o desfile teria terminado no ponto em que a Saltur (Empresa de Turismo de Salvador) indicou.

Os assessores lembraram que o encerramento foi no mesmo local dos anos anteriores e que só houve mais meia hora extra de desfile por conta dos apelos dos foliões

A cantora ainda teria ficado impressionada negativamente com o excesso de críticas que a equipe recebeu. Alguns internautas abusaram da indignação, xingando a cantora, que pediu para que a banda e a produção retomassem o desfile por mais 30 minutos.

A assessoria de imprensa de Daniela ainda disse que não há qualquer objeção em tocar na frente do camarote da Polícia Militar e que em 2016 participou de campanhas da PM.

Publicidade

“Ela jamais se recusaria a cantar para qualquer camarote que fosse”, disseram, em nota, os representantes de comunicação.

Porém, uma coisa ficou por esclarecer. Segundo a imprensa local, após contato com a Saltur, seus representantes negaram que tivessem emitido qualquer tipo de orientação sobre o trecho de encerramento do desfile. Vários vídeos surgiram na internet mostrando a interrupção do show.

#Casos de polícia