De acordo com informações do portal de notícias G1 em reportagem publicada neste domingo, 23, um homem acusado de ter estuprado uma criança levou uma surra de populares no bairro do Alto de Ondina. A região fica na capital do estado da Bahia, Salvador. Vários populares começaram a bater no homem após ele ser acusado do suposto abuso. A acusação é que ele teria forçado uma criança de apenas quatro anos a fazer sexo. Populares se uniram contra o homem e bateram nele de modo violento.

A polícia foi chamada e já encontrou o suposto abusador muito ferido. De acordo com a entidade, pessoas que bateram muito no homem, assim que viram os agentes chegarem, decidiram fugir do local.

Publicidade
Publicidade

O acusado, que não teve o nome identificado, estava amarrado em uma árvore. Os agentes o desamarraram e como os ferimentos eram graves, o homem foi encaminhado para um hospital da região, que pôde oferecer tratamento a ele. O caso está sendo investigado pela divisão dos crimes contra a criança e o adolescente da Polícia Civil baiana.

Suposto caso também repercutiu no Facebook e nas redes sociais

Nesse sábado, 22, o site 'Vi Por aí Postei Por Aqui' divulgou um vídeo que está repercutindo em páginas do Facebook no Brasil nesse fim de semana. O vídeo mostra um homem sofrendo tortura na cadeia. De acordo com o site que divulgou as imagens, o vídeo mostraria um homem que foi condenado por estupro e acabou chegando em uma cela com muitos outros presidiários.

É sabido que o sistema carcerário brasileiro é cheio de problemas e superlotação, mas espanta o fato de que a agressão ao estuprador estivesse sendo gravada por um aparelho de celular.

Publicidade

O presidiário teve os testículos estourados pelos próprios colegas de cela. As agressões continuam. Os homens, que foram presos por outros diversos crimes, ainda dão várias chineladas e chutes diretamente em seu órgão sexual. A tortura é estampada com os gritos do homem.

Repercussão nesse fim de semana

Durante muitos minutos aquele presidiário foi gravado por aparelho de telefone. O conteúdo ainda foi colocado na internet e está até hoje no ar. Postado nessa semana em páginas criminais do Facebook, o vídeo dividiu opiniões. Um internauta disse que era muito "bem feito" o que os outros estavam fazendo com aquele homem e que assim, quando o abusador saísse da cadeia, evitaria cometer tais ações novamente. Já outro lembrou que o julgamento "olho por olho, dente por dente" não era o mais funcional e que quem batia no homem fez crimes de igual ou pior extensão do que ele.

O site que divulgou as imagens diz que o preso, após o espancamento sequer conseguiu levantar por conta das agressões. A publicação, no entanto, não conta se ele faleceu devido à tortura. #Crime