São Paulo passou por um apagão na tarde de hoje (19) ao lado de Minas Gerais, Rio de Janeiro, Paraná Espírito Santo, Distrito Federal, Rio Grande do Sul e Goiás. Segundo a Eletropaulo, companhia responsável pela distribuição de energia em São Paulo, 700 megawatts foram cortados a pedido do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). O governo brasileiro ainda não explicou as causas desse pedido.

Bairros de São Paulo, como Pinheiros, Vila Mariana, Santa Cecília e República sofreram com a falta de energia, mas o maior transtorno foi causado pelo apagão que atingiu o metrô. Em dia de muito calor, diversos passageiros passaram mal na Linha 4 - Amarela após o apagão.

Publicidade
Publicidade

Concessionárias como a Light (Rio de Janeiro) e Cemig (Minas Gerais) confirmaram que receberam ordens do governo para cortar a energia, mas não explicaram o motivo.

Segundo o ONS, a interrupção de energia em diversas cidades foi uma prática denominada Esquema Regional de Alívio de Carga. Essa prática determina que concessionárias de energia faça cortes para preservar o seu fornecimento. 

Transtorno no metrô

Às 14h35 (horário de Brasília), a Linha 4 - Amarela do metrô de São Paulo teve parte de seu fluxo interrompido por causa da falta de energia, entre as estações Luz e República. A situação foi normalizada apenas às 16h30.

A concessionária ViaQuatro, responsável pelo metrô, informou que o problema não foi interno. Os trens que estavam em andamento no momento do apagão ficaram estacionados no meio do túnel e o calor fez com que duas pessoas passassem mal, tendo que ser socorridas. 

Ações do setor elétrico caem

Após a queda de energia que assolou sete estados brasileiros e o Distrito Federal, a Bovespa fechou a segunda-feira (19) em queda.

Publicidade

A queda foi puxada por ações do setor elétrico e representou uma queda de 2,57%. As ações que mais caíram foram as de empresas do setor elétrico e companhias petroquímicas e siderúrgicas.

Pouco antes do horário de fechamento da bolsa, as ações da Cesp caíram 4%, da Light, mais de 6%, da Cemig, mais de 5% e a CPFL, quase 8%.