Uma adolescente de 17 anos participava de um trote de faculdade quando alguns rapazes jogaram um produto químico nela, resultando em queimaduras de terceiro grau no umbigo e nas pernas. O ocorrido foi em Adamantina, cidade da região oeste do estado de São Paulo.

A família da vítima registrou boletim de ocorrência na Polícia Civil, como lesão corporal, mas o caso também será investigado na Delegacia de Defesa da Mulher. Sueli Aparecida Dia, tia da adolescente, contou que era pouco mais de 19h30 quando a sobrinha estava com as amigas em frente às Faculdades Adamantinenses Integradas, esperando para participar da primeira aula de pedagogia.

Publicidade
Publicidade

Enquanto conversavam, alguns rapazes passaram jogando o ácido, que resultou nas queimaduras, e tinta. De acordo com a jovem, não foi possível ver o rosto dos agressores, pois havia muitos alunos na porta da faculdade esperando pelo início das aulas.

Flórida Paulista foi atendida na Santa Casa de Adamantina e lá a informaram que provavelmente o produto jogado era uma mistura de ácido com creolina. Além das queimaduras, Flórida apresenta quadro de queda de pressão e febre. A adolescente, que estava muito feliz com o ingresso no curso de pedagogia, agora está com medo e pensando em desistir.

Segundo Patrícia Tranche Vasques, delegada que cuida do caso, a polícia irá apurar quais foram os produtos jogados em Flórida e quem são os autores da agressão. Baseado em relatórios e laudos será instaurado um inquérito.

Publicidade

Versão da faculdade

A FAI alegou que o fato aconteceu fora das dependências da faculdade, mas lamentou o episódio de trote violente e se colocou a disposição da família. Em comunicado, destacou que contratou equipes especializadas e reforçou a segurança interna da faculdade para coibir trotes vexatórios ou violentos.

Se as investigações provarem que os responsáveis pelo trote violento estão matriculados na faculdade, as medidas administrativas cabíveis serão tomadas, podendo até terminar em expulsão, de acordo com o regimento interno da FAI. #Educação