Ótima notícia que, com certeza, deixará todos os paulistanos animados. As chuvas que atingiram as regiões de São Paulo e grande ABC aumentaram o nível de água dos 6 principais mananciais que abastecem a capital e a grande São Paulo. De acordo com a Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo), o Sistema Cantareira alcançou o maio aumento desse ano.

Com apenas esses dias de chuva, o nível das águas do Cantareira subiu de 5,2% para 5,4%. Analisando o índice pluviométrico, a quantidade de água da chuva que atingiu São Paulo esse mês já superou as expectativas chegando a medida de 80,1 milímetros, ou seja, índice superior à média histórica do mês de janeiro.


Entretanto, o paulistano deve continuar economizando água ao máximo e torcer para que venha mais chuvas para aumentar o volume hídrico dos sistemas de abastecimento de São Paulo. Além desse relatório positivo da Sabesp, é necessário ressaltar que no dia 1º de janeiro de 2015, o Cantareira estava com 7,2% de volume de água. Ou seja, mesmo com a subida para 5,4%, ainda ocorreu uma queda de 1,8% de um índice que já estava péssimo. Todavia, para dar esperança aos moradores da terra da garoa, é importante informar que nos últimos 5 dias não houve queda no volume de água.


Além do Cantareira, mais 5 mananciais conseguiram aumentar o volume de água. O sistema de Guarapiranga aumentou 1,7%, em apenas 24 horas, subindo para 49,8% o volume de água. O índice pluviométrico da região foi registrado 43,8 mm, valor superior as chuvas de todo o mês. Já os sistema do Rio Claro, do Alto Tietê, do Rio Grande e do Alto Cotia conseguiram subir 0,4, 0,5, 1,3 e 1,5 respectivamente. Entretanto, os reservatórios operam com baixos índices, sendo alvos de grande preocupação dos paulistanos.

Vamos torcer para que continue chovendo na região de São Paulo, e que o povo continua tendo consciência de economizar ao máximo, evitando o desperdício.

Publicidade
Publicidade

Além disso, o governo está iniciando processos de políticas públicas para amenizar a crise de abastecimento que já existe em São Paulo. Agora não é o momento de analisar quem são os culpados e sim, de todos os cidadãos que moram em São Paulo agirem juntos - afinal, ninguém quer ficar sem água. #Natureza