Na madrugada do último domingo (8), o edifício Banco das Nações, localizado no centro de São Paulo, sofreu um furto nada comum. Roubaram um estátua situada na faixada do prédio. A peça era de bronze, com o tamanho de uma pessoa e tinha o formato de um semeador, na qual estava embutida a frase "poupar, semear e prosperar", entendida como lema do banco.

Pela manhã, o buraco deixado na parede onde ela estava fixada causou espanto e estranheza aos trabalhadores do prédio. "Eu só percebi a ausência da estátua de manhã quando fui a padaria comprar pão." contou um dos zeladores do prédio, José Fidelis.

O sistema de segurança do edifício, que conta com algumas câmeras, mostrou a ação dos 3 ladrões, que após retirarem a estátua de sua base, a colocaram em uma carrocinha, normalmente utilizada pelo catadores de materiais recicláveis.

Publicidade
Publicidade

O zelador registrou um boletim de ocorrência no domingo pela manhã, após descobrir que a ausência da estátua se tratava de um furto. Até o momento ninguém foi detido. A polícia segue investigando o curioso caso.

José Fidelis, zelador do edifício que registrou a ocorrência, disse que a estátua não tinha uma fixação muito boa e que por esse motivo os ladrões não tiveram tanta dificuldade em arrancá-la. Mesmo sendo uma estátua de porte grande, eles conseguiram agir rapidamente e permanecerem discretos.

Wagner Panfili, 31 anos, trabalha no edifício a alguns anos e conta que se surpreendeu com a audácia dos ladrões e que nem imaginava que ela havia sido roubada. Disse que percebeu a ausência da obra, mas pensou que tivesse sido retirada para manutenção. O que mais o deixou impressionado foi a coragem dos ladrões de roubarem um patrimônio.

Publicidade

O zelador afirmou também que diversas pessoas que passam pela frente do prédio perguntaram pela estátua, uma vez que ela está na frente do prédio a vários anos. Era frequente as pessoas pararem para tirar fotos com o monumento. "Você jamais espera que algo desse tipo vá acontecer em lugares que você frequenta diariamente", lamenta o zelador. #Crime