Humberto Moura Fonseca, 23 ano, que estava no 4º semestre da faculdade de engenharia elétrica na Universidade Estadual Júlio de Mesquita (UNESP) morreu de coma alcoólico após uma festa universitária realizada no último dia 28. O estudante era mineiro da cidade de Passos e participava de uma festa em Bauru, centro-oeste paulista. A festa "InterReps" ocorreu na chácara da Grande Cecília organizada por repúblicas. A festa não tinha, segundo a mídia local, autorização para acontecer.

No evento eram distribuídas bebidas à vontade, cerveja, energéticos e vodca por meio de convites que podiam chegar até $100. Segundo a página do evento no Facebook e confirmado pela polícia, no evento haveria uma competição para ver quem beberia mais vodca. Quem não aguentasse ficar de pé parava ou continuava a beber. Não havia estrutura para socorrer as pessoas que passavam mal, segundo a polícia era servido chá de boldo para amenizar a situação. A polícia militar teria sido chamada uma hora depois do início do evento para atender casos de "embriaguez em excesso".

O jovem que morreu teria tomado 25 copinhos de plástico de vodca. O vencedor que também está internado teria tomado ao menos 30 copinhos da bebida. Ao todo seis estudantes deram entrada no hospital devido ao alto consumo de bebida alcoólica. Dois estudantes continuam internados em estado grave.

Dois alunos foram presos em flagrante por homicídio com dolo eventual. Eles são de duas repúblicas que organizaram a festa. O advogado deles conseguiu liberação na justiça e eles irão responder em liberdade. O sargento Benedito Aparecido Camargo de 50 anos isentou a universidade da responsabilidade já que a festa aconteceu fora das propriedades da Unesp. Ele também disse que ainda não foram apuradas a quantidade de repúblicas envolvidas.

Em nota, a Unesp disse que não poderia se responsabilizar pelo ocorrido e que lamenta a morte do estudante. A universidade também disse que proíbe o consumo de bebidas alcoólicas no campus e que também não tolera a prática de trotes humilhantes e que prejudiquem de alguma forma a saúde e que frequentemente realiza campanhas de conscientização pelo campus.