A empresa Ultracargo, no bairro Alamoa em Santos, litoral de São Paulo, foi atingida por um incêndio de grandes proporções na manhã desta quinta-feira (02). De acordo com o corpo de bombeiros, o fogo teria começado por volta das 10h e atingido tanques de combustíveis da empresa.

No local, existem vários tanques de diferentes tipos de combustíveis e produtos químicos. Houve grande mobilização do corpo de bombeiros para tentar apagar as chamas. De acordo com o porta-voz da corporação, Capitão Marcos Palumbo, em entrevista à TV Tribuna - afiliada da Rede Globo - o combate é bastante complexo por conta da alta temperatura.

Publicidade
Publicidade

Dessa forma, a água acaba evaporando antes de chegar às chamas, prejudicando a ação da corporação.

A Prefeitura de Santos informou que duas jovens foram levadas ao Pronto Socorro Central para acompanhamento. Uma das vítimas acabou inalando a fumaça advinda do incêndio, enquanto a outra foi acometida por um choque emocional. Ambas passam bem.

De acordo com relatos de usuários das redes sociais, a fumaça pode ser vista de várias cidades da baixada santista e o cheiro de combustível queimado é bastante forte nas proximidades do local do incêndio. Os usuários ainda relatam que, no momento da explosão, os moradores de bairros vizinhos pensaram em abandonar suas casas, com medo de que o fogo se alastrasse. O barulho da explosão teria sido muito forte, dizem os usuários.

Por conta do incêndio, a rodovia Anchieta encontra-se bloqueada.

Publicidade

O acesso ao porto também está fechado, ocasionando congestionamento na região. A Ultracargo informou em nota que a a equipe da brigada de incêndio evacuou a área assim que a primeira explosão foi registrada. De acordo com a empresa, o incêndio está contido e suas causas serão investigadas assim que possível.

Um funcionário da Ultracargo afirmou que estava próximo ao local da explosão, mas que a brigada de incêndio agiu rapidamente, dispensando todos os funcionários. Ele diz, ainda, não ter visto nenhum ferido.

Informações coletadas do site G1 e do jornal Estado de São Paulo, em sua versão online.