Nesta quinta-feira, dia 2 de abril, Thomaz Rodrigues Alckmin, filho mais novo do governador reeleito do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, morreu em um acidente de helicóptero, juntamente com mais quatro pessoas. Fontes confirmam que o acidente ocorreu por volta das 17h, perto de um condomínio, em Carapicuíba, na famosa rodovia Castello Branco, em São Paulo.

O helicóptero caiu em uma casa que estava sendo construída e, felizmente, não havia nenhuma pessoa na residência no momento, e também nenhuma muito próxima ao local. Não houve sobreviventes com a queda da aeronave.

Diferentemente de seu pai, Thomaz Alckmin não seguiu os rumos de uma carreira política.

Publicidade
Publicidade

Com 31 anos, ele era formado em Administração de empresas e também era piloto, inclusive, de helicópteros. Segundo informações de auxiliares do Governador, Thomaz estava como copiloto na hora do acidente, e além disso, os auxiliares complementaram enfatizando que o piloto tinha mais de 30 anos de experiência.

Os nomes das vítimas do acidente ainda não foram divulgados, somente o de Thomaz. Além dele e do piloto, outras 3 pessoas morreram na tragédia. O administrador, Thomaz, deixa uma filha de 10 anos, chamada Isabella, e sua esposa, Fabíola.

Por telefone, Fabíola, esposa de Thomaz Alckmin, ligou para o governador Geraldo Alckmin, que segundo ela, 'só chorava ao telefone, em choque'. A esposa mora na Noruega, país escandinavo do norte europeu, com sua filha, e mesmo assim, não demoraram muito a saber da tragédia.

Publicidade

Segundo informações, pessoas mais íntimas de Geraldo Alckmin disseram que ele tentava convencer o filho a parar de voar, e que tinha receio de algo acontecer. O governador Geraldo Alckmin teve mais dois filhos, além do mais novo Thomaz. Geraldo, o filho mais velho, e Sophia.

No momento, ainda não há muitas informações sobre como irá se portar a família Alckmin diante da situação. O que se sabe é somente sobre a conversa já citada anteriormente entre a ex-esposa de Thomaz e o governador do estado de São Paulo, Geraldo Alckmin.