O prefeito Fernando Haddad sancionou nova lei para os estabelecimentos comerciais da cidade de São Paulo que não poderão vender aos seus consumidores sacolas plásticas comuns ou sacolinhas brancas - que são muito utilizadas atualmente por todos os comércios.

A lei de número 15.374, que começou a vigorar neste domingo (5) conhecida como Lei das Sacolinhas, prevê multas altíssimas para quem descumprir as novas regras. Comerciantes poderão ceder apenas sacolas reutilizáveis nas cores verde e cinza aos clientes, que são produzidas com matéria prima renovável e consideradas menos nocivas ao meio ambiente. Portanto, os comércios poderão cobrar a partir deste domingo entre R$ 0,08 à R$ 0,10 a unidade.

Todo cidadão agora terá que separar seus resíduos de acordo com a cor da sacola, caso contrário também será multado.

Publicidade
Publicidade

A sacola de cor verde, por exemplo, será para descarte de lixo reciclável e a cinza para descarte do lixo comum. Além das cores de identificação as sacolinhas têm orientações impressas sobre o descarte correto de resíduos e educação ambiental.

Sobre as multas

O comerciante que desrespeitar a lei poderá receber uma multa de R$ 500 a R$ 2 milhões, já o cidadão que não cumprir as regras, por exemplo, descartando restos de comida na "sacola verde" que irá para a central de triagem, poderá receber uma advertência e em caso de reincidência poderá pagar uma multa no valor entre R$ 50 e R$ 500. De acordo com a prefeitura a fiscalização dos comerciantes será feita por agentes do Departamento de Gestão Descentralizada (DGD) da Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente, com bases em denúncias encaminhadas via SAC e pela central 156.

Publicidade

Lei deixou paulistanos inseguros

A Lei das Sacolinhas tem gerado dúvidas ao cidadão paulistano. Recentemente lixeiros fizeram greve devido o baixo salário o que deixou moradores com lixos acumulados em suas casas e sem poder fazerem nada.

Para os moradores da grande São Paulo essa nova lei é só mais uma maneira de "ganharem dinheiro nas nossas custas". E começam a surgir dúvidas em relação à fiscalização na hora da coleta dos lixos. Será mesmo que terá caminhão de coleta seletiva? O especialista em defesa do consumidor, Celso Russomanno, alerta para que a população observe se as coletas de lixo estão realmente sendo feitas separadamente, para não sermos vítimas de cobranças injustas. #Natureza