A #Educação no Brasil passa por uma grande crise e de fato não prepara o aluno para a vida adulta, mas essa semana aconteceu uma cena um tanto quanto forte. Uma professora da escola EMEF Ministro Synésio Rocha, localizadda na Zona Sul da cidade de São Paulo, foi filmada quando estava com o braço envolta do pescoço de um aluno na tentativa de imobiliza-lo para tomar a força o celular que o garoto não queria entregar. O movimento conhecido popularmente como “gravata” foi utilizado dentro da sala de aula pela professora na última quarta-feira. O vídeo foi feito por um adolescente da turma que posteriormente colocou as imagens na internet.

A Secretaria Municipal de Educação, SME, informou através de nota que a professora foi afastada.

Publicidade
Publicidade

A Secretaria de Educação relatou que assim que a direção da escola teve conhecimento do ocorrido o afastamento da docente aconteceu imediatamente. Além disso, também foi aberto um processo de Apuração Preliminar para que ela responda pelo ato que cometeu seguindo a legislação vigente.

Primeiramente as imagens foram compartilhadas pelos alunos da turma do 6ª ano no Fazebook. O vídeo mostra o momento em que a professora se aproxima do adolescente de doze anos na tentativa de pegar o celular. O menino sobe sobre a mesa e a professora começa uma contagem regressiva para pressioná-lo a entregar o aparelho. Ela dá uma gravata no adolescente e tenta pegar o celular enquanto os outros alunos da turma gritam pedindo para que a professora se acalme.

A secretaria da educação informou que a Lei nº 14.974/2009 proíbe o uso de celulares dentro das dependências das escolas da rede municipal de ensino, mas que apesar disso a postura da professora foi exagerada e inadequada.

Publicidade

As ações das Diretorias Regionais de Educação e das escolas devem garantir os direitos dos adolescentes e educandos conforme a lei Lei nº 8.060/1990 do Estatuto da Criança e do Adolescente.

A família do adolescente não quis se pronunciar sobre o ocorrido, mas cabe ainda a possibilidade de processar a professora por agressão de menor.