Entre as 94 escolas da rede pública de São Paulo que serão fechadas pelo projeto de remanejamento promovido pela Secretaria Estadual de #Educação, 4 estão localizadas no município de São Bernardo do Campo, no Grande ABC. São elas: #Escola Estadual Profª. Yolanda Noronha do Nascimento, localizada no Jd. Silvina, Escola Estadual Prof. Tito Lima, no Estoril, Escola Estadual Profª Vilma Aparecida Anselmo Vieira e Escola Estadual Profª Julieta Viana Simões Santana, na Vila Rosa.

Até o momento não há informações sobre qual será o destino dos prédios após a desocupação, mas é provável que sejam utilizados para ampliação do programa de Educação de Jovens e Adultos (EJA). 

De acordo com o governador Geraldo Alckmin, o objetivo das mudanças é separar os alunos do ensino fundamental da convivência com estudantes do ensino médio, deixando cada escola com apenas um ciclo.

Publicidade
Publicidade

No caso específico de São Bernardo do Campo, a questão envolve apenas o chamado Ciclo II, com alunos do 6º ao 9º ano. O ensino do Ciclo I (1º ao 5º ano) é de responsabilidade do município. Acionada, a Secretaria Municipal de Educação não quis se pronunciar a respeito das alterações promovidas pelas autoridades estaduais.

Outras cidades da região do ABC também serão contempladas com mudanças nas escolas da rede pública. Em Santo André, 7 unidades serão afetadas contra 6 em Diadema e 1 em Mauá.

Em todo o estado, cerca de 311 mil alunos, 74 mil professores e 94 escolas serão atingidas pelo plano de remanejamento. Os profissionais com contrato temporário temem uma dispensa coletiva. Os estudantes serão realocados para unidades próximas já em 2016 com a promessa de que a distância não será superior a 1,5 km.. 

Para Herman Voorwalk, secretário estadual da educação, os indicadores mostram que o desempenho dos alunos é melhor nas escolas com ciclo único.

Publicidade

Mesmo assim, o projeto não foi bem aceito por pais, professores e sindicatos que iniciaram uma onda de protestos que deve durar até o início do novo ano letivo. O #Governo garante que não vai recuar. 

No meio dessa "batalha", alunos aguardam o dia 14 de novembro, quando serão realizadas as reuniões definitivas nas escolas.