A Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo) divulgou, no dia 07/10, uma lista com 127 escolas que afirma correrem o risco de serem fechadas pelo governo do Estado em 2016. A estimativa se baseia em declaração do próprio Secretário de #Educação, que, segundo o Sindicato, afirmou que fecharia 30% das escolas estaduais. Algumas escolas já começaram a ser notificadas sobre o fechamento.

Ainda segundo a Apeoesp, a medida se assemelha à reestruturação ocorrida em 1995, que resultou na demissão de 20.000 professores. A organização afirma que, caso a situação se repita este ano, o resultado serão demissões em massa e superlotação das salas de aula remanescentes.

Publicidade
Publicidade

Governador não confirma fechamento de escolas, mas Plano Estadual de Educação prevê municipalização do ensino

O governador Geraldo Alckmin, em declaração publicada pelo G1 (portal de notícias da Globo), não confirmou o fechamento das escolas. Contudo, afirmou que haverá reestrututação em 2016, e alega que houve uma diminuição de 1,8 milhão de alunos nos últimos 20 anos, o que se deve ao envelhecimento da população e à municipalização da educação.

No dia 04/08, Alckmin enviou para aprovação pela Assembleia Legislativa o Plano Estadual de Educação (PL 1083/2015),com vigência de 10 anos, que prevê como Meta 21 a completa municipalização dos primeiros anos do ensino fundamental. 15 entidades integrantes e ex-integrantes do FEE-SP (Fórum Estadual de Educação de São Paulo), em nota oficial, repudiaram a forma como a Secretaria Estadual de Educação de São Paulo conduziu a elaboração do Plano.

Publicidade

Reação nas ruas

No dia 09/10, uma manifestação na Avenida Paulista reuniu mais de 1.000 pessoas, segundo a CEERT (Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades). Segundo o capitão da PM Luiz Claudio dos Santos, os presentes não passavam de 180. Ambas as entidades confirmam que houve, durante o evento, três detenções de pessoas que, de acordo com a PM, tratavam-se de black blocks.

Desde o início do mês também têm ocorrido manifestações diárias em outras cidades do Estado, como: Presidente Prudente, Euclides da Cunha Paulista, São Bernardo, Santo André e Diadema.

Futuras manifestações estão sendo organizadas pela Internet. A página do Facebook dedicada ao 3º Grande Ato Contra a Reorganização das Escolas em SP, a ocorrer no dia 15/10 em frente à sede do Governo do Estado, já conta com 3,5 mil participações confirmadas. Outra página da rede social, chamada "Não Fechem Minha Escola! Todos Juntos Contra a 'reorganização'!", que também busca reunir pessoas para o ato do dia 15, possui 9,4 mil presenças confirmadas.

Há também abaixo-assinados circulando pelos espaços virtuais contrários à reforma. Alguns, como o organizado pela Escola Estadual Elísio Teixeira Leite III, já contam com 656 assinaturas. #Geraldo Alckmin #Blasting News Brasil