No fim da noite deste sábado, 17, um vídeo começou a provocar muita polêmica nas redes sociais. Postado no Youtube, ele mostra o exato momento em que manifestantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra, o MST, acompanhados de outros movimentos sociais, decidiram invadir e também pichar o edifício que hospeda a Fundação Cásper Líbero, local onde está localizada uma universidade com o mesmo nome e também onde é sediada a TV Gazeta. O prédio fica na Avenida Paulista, um dos pontos mais conhecidos da "terra da garoa". 

As imagens retratam um protesto que aconteceu um dia antes, na sexta-feira, 16. O ato que começou na Avenida Paulista, logo eclodiu com a invasão do prédio da TV Gazeta.

Publicidade
Publicidade

No vídeo é possível ver pessoas correndo e também gritando palavras de ordem. Nas paredes do local, foram pichadas frases como "Globo Mente" e "Abaixo a #Rede Globo". A Rede Globo de Televisão também possui uma sede em São Paulo, mas essa fica a quilômetros do edifício da Fundação Cásper Líbero.

Também foram colados papéis nas paredes da Cásper Líbero. Eles mostram o logo do canal da família Marinho e dizem que a rede de TV provocaria uma manipulação dos telespectadores. Essa ideologia contra a TV Globo é muito comum durante protestos populares. O curioso neste caso é que, inicialmente, o protesto do Movimento dos Sem Terra era contra as empresas do ramo de alimentação, que estimulariam o uso de produtos químicos nos alimentos por uma maior produção. Durante a invasão do MST ao edifício, a polícia acompanhou o ato sem intervir.

Publicidade

Os manifestantes também reivindicaram uma espécie de poder moderador sobre os meios de comunicação e também se posicionaram a fazer da maior estatal do país, a empresa de energia Petrobrás, que vive um dos piores momentos de sua história. Diversos políticos estão sendo investigados por supostamente desviar dinheiro da Petrobrás. Um dos mais recentes é o deputado federal Eduardo Cunha, do PMDB do Rio de Janeiro. Contas dele na Suíça foram descobertas. Ele negava até então a existência destas. #Crime