O acusado de matar a jovem Márcia Camilo do Nascimento (24), que estava grávida de quatro meses, será levado a julgamento no dia 15 de dezembro de 2015. O crime, que chocou a cidade de Mairiporã (SP), e que ganhou repercussão em todo o Brasil, será debatido no Fórum da cidade, exatamente um ano após a morte da jovem.

Maurício de Souza Silva conheceu a vítima em uma loja de conveniência onde ela trabalhava. Ele era casado e não havia contado para a moça, que engravidou. Afim de que sua infidelidade não fosse descoberta, e para não assumir a paternidade da criança, Maurício planejou a morte da própria amante.

Márcia teria se queixado com amigas próximas de que ele havia feito ameaças à ela e sua #Família, caso não realizasse um aborto, e que ele se comprometeu a pagar pelo procedimento. Márcia, que já possuía uma filha de outro relacionamento, negou-se a fazer o aborto e garantiu que iria criar a criança sozinha.

Publicidade
Publicidade

Mesmo assim, inconformado, Maurício atraiu a vítima com o discurso de que queria conversar para resolver a situação.

Após uma discussão, Maurício espancou e estrangulou a jovem até a morte. Segundo a perícia, o feto do bebê não foi encontrado, o que reforça a ideia de que o próprio agressor realizou o aborto na vítima. O corpo de Márcia foi encontrado em um barranco da estrada do Mato Dentro, em Mairiporã, no dia 12 de dezembro de 2014, em estado avançado de decomposição.

O caso foi amplamente divulgado pela imprensa. A família de Márcia realizou diversas passeatas e manifestações pela cidade, pedindo a prisão de Maurício, que fugiu logo após o assassinato. O empresário, de 36 anos, se entregou seis meses após o #Crime, na delegacia de Mairiporã, e negou as acusações.

Segundo o acusado, ele teria fugido com medo das ameaças feitas por moradores, que, revoltados, incendiaram um carro dentro da sua empresa e picharam sua casa.

Publicidade

Maurício, no entanto, caiu em contradição em seu depoimento.

A polícia civil de Mairiporã encontrou a casa de Maurício completamente revirada e com sinais de luta corporal. Segundo o delegado da cidade, Dr César de Toledo, não há dúvidas de que o rapaz premeditou e matou Márcia e o bebê. #Casos de polícia