Após muita discussão e negativa do medicamento fosfoetanolamina sintética aos pacientes portadores de câncer, remédio que todos acreditam que cura a #Doença, os pacientes de São Paulo se vêem em outra situação embaraçosa. O estado vinha até o momento se negando a fornecer a fosfoetanolamina sintética aos pacientes, por não acreditar que o medicamento faça o efeito que todos estão dizendo. No entanto, nenhuma autoridade perguntou se o paciente que vem sofrendo com a doença que pode levar a morte em poucos meses, desejaria tomar tal composto.

Agora, depois de muitas reuniões e explicações dos pesquisadores, na mídia e nas redes sociais, e veio junto a pressão dos pacientes e da população e também de vários estrangeiros, que souberam através das redes sociais, o estado de São Paulo, a pedido do seu atual governador #Geraldo Alckmin, resolveu fazer os teste em pacientes, segundo o site UOL.

Publicidade
Publicidade

Essa decisão só veio após os pesquisadores assinarem um acordo para que os testes sejam feitos no estado do Rio Grande do Sul. Os pacientes que já se preparavam para entrar com liminares no sul do país agora estão sem saber o que fazer. Segundo o que o deputado gaúcho Marlon Santos disse, "essa guerra de egos está só atrasando a liberação".

Segundo Davi Uip, em entrevista nesta quarta feira dia 25/11/2015, os testes serão feitos com 1000 pacientes voluntários, distribuídos em vários hospitais da rede estadual de São Paulo. Os trabalhos serão iniciados no Instituto do Câncer de São paulo. O governador Geraldo Alckmin pediu em rede nacional que se inicie o quanto antes as pesquisas para que seja liberado o medicamento logo.

Últimas

Alckmin vai receber amanhã, para uma reunião junto com representantes do Ministério da Saúde, uma paciente que está utilizando a medicação fosfoetanolamina sintética.

Publicidade

Bernadete Cioffi está muito engajada na luta pela liberação da fosfoetanolamina, junto com os demais pacientes.

Neste momento, o paciente com câncer ainda tem dúvidas sobre a real intenção do poder público, que até agora não tinha movido um dedo para a liberação. Vamos aguardar até semana que vem para ver se conseguem resolver tudo e começar os testes. #Congresso Nacional