O Cantareira dá sinais de que poderá sair do volume morto onde está atualmente e passar a reviver, se a água que o abastece aumentar mais de 6,5% e passará a ter o seu volume hídrico normalizado.

A previsão é de que aconteça até o fim de dezembro 2015, basta que ele atinja o restante de 18 bilhões de litros de água. Devido a estiagem principalmente nas cabeceiras, o rio operou forte no volume morto no mês de agosto e as águas são a que abastecem São Paulo e regiões.

Neste 24/12 o sistema contou com 21.3% do seu nível junto com o volume morto e ao atingir 22,65% sairá do seu limite inferior em que se encontra.

No dia 22/12 foi sinalizado pela Sabesp (Companhia de Saneamento básico do estado de São Paulo) e pelo governador Alckmin (PSDB), que continuarão com medidas de economia da água.

Publicidade
Publicidade

O bônus permanecerá em vigor para os que gastarem pouca água e a sobretaxa para os moradores da Grande São Paulo que consumirem acima da média.

ENTENDA:

ANTES                                    CONSUMO l. ao mês                               Depois

Bônus 30%                               12 l./mês                                               Bônus de 30%

Bônus 30%                               13 l./mês                                               Bônus de 10%

Bônus de 10, 20 e 30%             15 l, 17 l. e 18 l./mês                               sem Bônus.

Sobretaxa 40% e 100%             21 l./mês e 25 l./mês                               Sobretaxa.                                                                      

Do mês de julho (2014) até o momento foram utilizadas bombas colocadas no fundo do rio Cantareira.

Publicidade

Eram abastecidos nove milhões de pessoas e passou para cinco milhões, as outras foram atendidas por outros rios.

Houve críticas dos especialistas por usarem o fundo do rio, de acordo com eles colocaram o rio e o meio-ambiente em risco, pois as águas poderiam secar definitivamente. Para eles o governo não realizou previsões e soluções para o problema da estiagem.

O governo se defendeu afirmando que usar o volume morto foi uma solução, uma saída para a crise hídrica, pois evitaram que faltasse água para a população.

AS CHUVAS

Com o alto índice de chuvas nos meses de 2015, o Cantareira aumentou sua capacidade hídrica e passou a gerar 714 bilhões de litros de água em seu reservatório e está operando atualmente com 72% do seu nível, sendo que no início contava com 357 bilhões de litros.

Com o aumento da quantidade de água o reservatório recuperou o volume morto que estava sendo usado no abastecimento da capital paulista.

Em dezembro a perspectiva é de que o Cantareira aumente a sua capacidade em 141 bilhões de litros, estimativa que corresponde à água captada do mês de julho ao mês de dezembro de 2105.

Publicidade

O reservatório tem recebido a quantidade de 52, 7 mil litros por segundo, menor do que em 2012 que era de 53,5 mil litros por segundo.

Os climatologistas explicam que as chuvas em abundância se devem ao fenômeno do El Niño e se ocorrer enchentes como no ano de 1983 o rio voltará ao normal em 2016.

Todos aguardam a normalização do Cantareira, principalmente a população de São Paulo que tanto sofre com a falta e racionamento de água. #Curiosidades #Geraldo Alckmin