Boa notícia para os moradores de São Paulo, que são abastecidos pela água do Cantareira. Após dois meses com chuvas acima das médias históricas, o Sistema Cantareira zerou hoje, quarta-feira, dia 30 de dezembro, o volume morto. Isso significa que o saldo está zero, ou seja, não está nem positivo, nem negativo, mas já é um alívio para a população. 

O volume está com 29,3%, o que corresponde a soma dos volumes da reserva técnica, incluídos no sistema em 16/05/2014, de 18,5%, o que correspondeu a mais de 182,5 bilhões de litros, e em 24/10/2014, quando foi utilizada a segunda cota da reserva técnica, ou volume morto de 10,7% de acréscimo, o que correspondeu à 105 bilhões de litros.

Publicidade
Publicidade

Segundo informações da SABESP: “No dia de hoje, 30/12/2015, o estoque de água no Sistema Cantareira é de 287,3 milhões de metros cúbicos (atualização diária entre 9h e 10h)”.

Os demais sistemas de abastecimento também tiveram aumento de suas reservas, mas o Alto Tiete, que aumentou o número de habitantes atendidos para aliviar o Cantareira, está com apenas 23,5% de sua capacidade total. Mas a população não deve deixar de economizar, a situação ainda é crítica. A crise hídrica em São Paulo está longe de terminar.

Segundo o Governador Geraldo Alckmim, os bônus para os consumidores que economizarem continuarão a ser pagos, as multas para quem não economizar também estão mantidas. Portanto, o uso consciente da água ainda é necessário, os moradores não podem descuidar, devem manter os hábitos adquiridos no período mais grave da crise hídrica.

Publicidade

Para os próximos meses, as previsões de chuvas são bastante animadoras, o que irá contribuir para a continuidade do aumento dos níveis de todos os reservatórios que atendem a população de São Paulo. Alguns especialistas defendem a ideia de que os paulistanos nunca mais poderão voltar aos velhos hábitos, e que o uso racional da água será uma constante na vida da população, não só de São Paulo, mas também de outras regiões afetadas com a falta de água.

Ainda segundo especialistas, o aquecimento global é o principal responsável pela instabilidade das estações. #Natureza #Geraldo Alckmin #Chuvas Torrenciais