Acidentes em importantes espaços públicos vêm se tornando recorrentes na cidade de São Paulo. O #Incêndio que ocorreu ontem no Museu da Língua Portuguesa é o quarto caso registrado em instituições culturais, em cinco anos.

Em maio de 2010, o incêndio que atingiu o Instituto Butantan, na zona oeste de São Paulo, destruiu um dos principais acervos de repteis para pesquisas do mundo e o maior do Brasil. As chamas atingiram o prédio onde cientistas faziam pesquisa com animais mortos conservados em formol, como cobras, aranhas e escorpiões.

Previsto para ser reaberto em fevereiro de 2012, o novo prédio do Instituto Butantan só foi inaugurado pelo governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), em setembro de 2013.

Publicidade
Publicidade

Em novembro de 2013, um outro incêndio atingiu o auditório do Memorial da América Latina, na Barra-Funda, zona oeste de São Paulo. Sem alvará para funcionar do Corpo de Bombeiros há mais de 20 anos, o prédio não sofreu grandes danos em sua estrutura após o incêndio, mas ele segue fechado para obras até hoje.

O Memorial, administrado por uma instituição vinculada à Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, foi projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer e inaugurado em 1989.

Em fevereiro de 2014, as chamas atingiram o Liceu de Artes e Ofícios, na Luz, Centro de São Paulo e queimaram quase todo o acervo de quadros, esculturas, móveis antigos e réplicas em gesso.

Na ocasião, o Corpo de Bombeiros informou que o Liceu não tinha o alvará para funcionamento, versão que foi desmentida pela Prefeitura de São Paulo, a qual informou que o colégio poderia apresentar auto emitido pelos bombeiros ou por algum engenheiro para continuar regular.

Publicidade

Os trabalhos para reinstaurarão das obras históricas iniciaram em agosto deste ano e devem ser finalizados no segundo semestre de 2016.

Incêndio no Museu da Língua Portuguesa

Citado anteriormente, o último Incêndio atingiu o Museu da Língua Portuguesa em São Paulo, no dia 21 de dezembro, e destruiu boa parte do local. Um funcionário do Museu, que tentou conter o fogo, sofreu queimaduras pelo corpo. Ele foi socorrido e levado ao hospital, mas não resistiu.

De acordo com a Secretaria da Cultura de São Paulo, não havia peças originais no espaço e o acervo do Museu é tecnológico e poderá ser reproduzido. Ainda de acordo com o #Governo, o Museu atendia todos os requisitos para a segurança e circulação de funcionários, e os procedimentos de segurança eram verificados periodicamente.

Além disso, o espaço possui seguro contra incêndio da ordem de R$ 45 milhões. #Arte