Guilherme Leão ficou conhecido em todo o Brasil como o 'segurança gato do metrô'. Seguindo um esterótipo de beleza imposto por boa parte da sociedade, o profissional ganhou status de celebridade por ser "bonito" e trabalhar como segurança, como se isso fosse um fato inusitado. Nesta segunda-feira, 21, Gulherme, no entanto, voltou à mídia por outro motivo, que não a sua "beleza". 

De acordo com relatos da página 'Jornalistas Livres', Guilherme teria agredido o estudante Heudes Cássio Oliveira. Com apenas 18 anos, o estudante está no terceiro ano do ensino médio de uma escola estadual de São Paulo. O jovem teria sido atacada pelos profissionais do metrô.

Publicidade
Publicidade

Segundo relatos de testemunhas, Heudes não ofereceu qualquer ameaça contra a empresa de transportes paulistas. 

O motivo para agressão seria o fato de Heudes Cássio Oliveira carregar em sua mãe uma frasco de Leite de Magnésia. O produto é muito utilizado por manifestantes para se livrar dos efeitos de gases jogados pela polícia em protestos, como o gás lacrimogêneo. 

A ação aconteceu depois que o jovem participou de um protesto contra uma ação do governo paulista pedindo a chamada "reorganização escolar". O governador Geraldo Alckmin, do PSDB, chegou a anunciar que tal organização seria suspensa, mas mesmo assim o assunto tem gerado polêmica na maior cidade do país. 

A agressão contra o estudante foi realizada do lado de uma máquina de refrigerante. Para não apanhar mais, o jovem tentou correr para as catracas da estação, local onde apanhou do segurança celebridade.

Publicidade

Nas redes sociais, muitos internautas pedem agora que o 'segurança gato' sofra algum tipo de punição, já que a agressão foi devidamente registrada. Guilherme Leão se tornou uma espécie de garoto propaganda do metrô de São Paulo. Ele já esteve falando em vários programas de televisão sobre como exerceria seu trabalho.

Tanto chamariz fez com que ele fosse chamado para novos trabalhos de modelo, mas ainda assim, ele preferiu não deixar a profissão de segurança. O profissional do metrô não se pronunciou até o momento. #Justiça #Crime