O sistema Cantareira elevou o seu nível de água em 1,3 pontos percentuais após chuvas intensas de dois dias. O seu volume alcançou 35,2% da sua capacidade, mas ainda permanece no volume morto.

Ocorreu um grande aumento de água no Cantareira em apenas um dia e o total foi de 14 bilhões de litros, que veio da chuva e das nascentes.

A água que chegou dará para garantir o abastecimento de cinco milhões de habitantes em apenas dez dias, o equivalente a 5.600 piscinas grandes.

O especialista Côrtes (professor da USP) disse que o fato de ter chovido muito, umedeceu o solo, pois o mesmo estava seco, e fez o “efeito esponja” ficar anulado, aumentando a vazão dos afluentes, o que contribuiu para a alta do volume das águas.

Publicidade
Publicidade

ÍNDICES

O sistema Cantareira em 48 h obteve 62,2 milímetros de chuvas correspondentes a 43% o que equivale a (143,6 mm), com o percentual de 24% do que se esperava para o mês 264 mm.

De acordo com professor Côrtes o "volume afluente" tem aumentado por causa das chuvas e o tempo está contribuindo para a alta das águas nos tanques.

Para o especialista o torrencial de chuvas está associado ao efeito do (“El Nino“, as águas do oceano Pacífico se esquentam), e as águas continuarão a cair até o mês de março.

MAIS ÁGUA

De acordo com os dados a Cantareira vem registrando aumento em sua capacidade hídrica há 44 dias, por esse motivo a ANA (Agência Nacional de Águas) e a DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica de São Paulo), deram o aval a SABESP na retirada de 30% a mais de água do manancial neste mês de janeiro.

Publicidade

Com isso passará a ter 19,5 mil litros de água por segundo, quantidade igual à captação no mês de outubro de 2014. Foi rejeitada pela ANA a ideia da SABESP em alterar o local de retirada da água, que seria da represa Paiva Castro (Mariporã-S. P), para Atibainha (Nazaré Paulista), pois a Cantareira tem quatro represas.

Para a ANA a proposta não foi aceita, pois a empresa passaria a captar em torno de 4,500 l/s de água, mais que os 19,5 mil l/s (Atibainha) e o total chegariam a 24 mil l/s.

Uma outra proposta da SABESP não foi aceita pela ANA a de reservar 5% de água do Cantareira até dezembro de 2016 (sem o volume morto), mas a ANA relatou que o correto seria 20% para que o sistema ficasse seguro.

DIAS CONTADOS

Com a alta captação de água pela SABESP no Cantareira (13,5 mil litros por segundo para 15 mil litros), já se fala em diminuir pela metade o período de corte para a população.

Estudos serão realizados pela SABESP para verificar as decisões da ANA e do DAEE sobre a normalização do consumo de água.

Para o especialista Côrtes ainda é cedo para que se explore 30% do Cantareira, ele acredita que o certo seria um volume de 40% e não de 5%. De acordo com Pedro Côrtes as chuvas vão reduzir e o sistema Cantareira irá demorar em se recuperar por completo. #Natureza #Chuvas Torrenciais