O parque de diversões Hopi Hari, localizado na cidade de Vinhedo, na região metropolitana de Campinas, pode estar com os dias contados. O empresário Cesar Federmann entrou na #Justiça para cobrar do empreendimento uma dívida de mais de R$ 5 milhões. 

Federmann alega que fez um empréstimo ao Hopi Hari no ano de 2014. Segundo ele, a dívida não foi paga, o que provocou a ação judicial. 

A assessoria de imprensa afirma que o parque ainda não foi notificado e que, no momento, o processo foi suspenso. Através de uma nota oficial, informou que possui uma certidão negativa do TJSP a respeito, e que as duas partes estão em negociação. 

Para evitar a falência, o parque precisa quitar a dívida em até 10 dias, prazo dado pelo juiz responsável.

Publicidade
Publicidade

Para advogados especialistas, a ação tem o objetivo de forçar o pagamento, e não necessariamente decretar o fechamento do estabelecimento. 

Tempos nada divertidos

Não é de agora que o Hopi Hari vem enfrentando maus momentos. Em 2008, Natália Silva Guimarães sofreu um deslocamento do cérebro após andar na montanha-russa conhecida como Montezum. A família da jovem processou o parque pedindo ressarcimento pelos danos sofridos. Atualmente, Natália ainda precisa fazer acompanhamento regulares com um neurologista.

No dia 24 de fevereiro de 2012, a adolescente Gabriela Nichimura morreu ao cair do brinquedo La Tour Eiffel. Entre o acidente e a primeira audiência do caso foram quase 2 anos de espera. Em outubro do ano passado, a polícia indiciou o vice-presidente e o presidente do Hopi Hari, e mais 9 pessoas, pela morte de Gabriela.

Publicidade

A relação de acusados inclui ainda o gerente de manutenção e o funcionário que fez alterações no brinquedo um dia antes da tragédia que matou a jovem. 

A reputação do parque atualmente é a de "não recomendado", de acordo com informação do site Reclame Aqui, voltado para registro de reclamações por parte de consumidores. Do mais de 4 mil clientes que expressaram sua opinião, apenas 16% afirmam que voltariam a frequentar o Hopi Hari.  #Negócios #Casos de polícia