Notícias publicadas nos jornais Valor Econômico e Agora São Paulo destacam um anúncio feito pelo Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, com sede em São Bernardo do Campo, de que as montadoras Mercedes-Benz e Volkswagen realizarão um novo afastamento de funcionários na próxima semana, após o Carnaval. 

Mercedes-Benz deve conceder licença remunerada para 1,5 mil colaboradores por um período ainda não determinado. Esse número representa quase 16% do total de funcionários da empresa. A expectativa é de que, somente no mês de maio, será avaliada a possibilidade de reintegração de todos os operários. 

A unidade de São Bernardo, na qual são produzidos ônibus, caminhões, motores e transmissões, vem utilizando apenas metade de sua capacidade.

Publicidade
Publicidade

As vendas no ano passado registraram uma queda de 47%. Só neste mês de janeiro, comparando-se os dados com o mesmo período em 2015, a queda foi de 43%.

A Mercedes-Benz acredita que o volume de vendas em 2016 será ainda pior e o acordo em torno do programa de proteção ao emprego, oferecido pelo governo, não é suficiente para manter tantos trabalhadores contratados. 

Volkswagen

A Volkswagen, que já anunciou que irá interromper a produção durante o Carnaval, também deve efetivar o afastamento temporário de 800 operários nos próximos dias. O total representa quase 11% do quadro de colaboradores da montadora alemã. 

A empresa não confirma, mas inicialmente todos entrarão em férias coletivas durante um período de três semanas. Logo após, todos passarão para o regime de "layoff", tendo os contratos de trabalho suspensos e parte dos salários pagos pelo governo federal. 

Para a Volkswagen, as medidas são insuficientes e a empresa não garante que todos serão readmitidos nos próximos meses. 

Setor

De acordo com a Federação Nacional dos Distribuidores de Automóveis (Fenabrave), a atual crise econômica atingiu em cheio o setor automobilístico, tornando os resultados dos últimos meses os piores desde 2007. 

Em média, considerando os resultados de todas as montadoras, a queda foi de 38% nas vendas.  #Negócios #Desemprego #Grande ABC