A Polícia Militar de São Paulo gerou polêmica no Twitter e no Facebook ao postar uma foto de uma criança fardada portando algemas e um cassetete. A foto foi publicada na noite de terça-feira, (2), e deixou alguns usuários irritados.

No Twitter, os usuários fizeram comentários como: "só faltou colocar um revólver na mão da criança. #semnoção", "já vem com mini spray de pimenta e bombinha de gás lacrimogênio?", "se ela soubesse o que vocês fazem, choraria de medo dessa farda", entre outros tantos comentários. Já no Facebook, a página de PM, recebeu vários elogios: "parabéns", "boa noite guerreiros", "essa já nasceu com espírito policial", entre outros elogiando o serviço.

Publicidade
Publicidade

O coordenador do estadual do Movimento dos Direitos Humanos e um dos fundadores da Comissão da Criança e do Adolescente do Conselho Federal da OAB, Ariel Castro Alves, disse que a exibição da imagem viola o artigo 232 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA):

"Submeter criança ou adolescente sob sua autoridade, guarda ou vigilância a vexame ou a constrangimento", a pena pode chegar a dois anos. 

Ariel Castro afirma que essa imagem pode causar transtornos futuros para essa criança, já que a mesma não está de posse de brinquedos. Ele ainda disse que a PM deve remover a imagem das redes sociais, Twitter e Facebook, e disse, também, que vai pedir ao Conselho dos Direitos Humanos para analisar o caso. 

Nota da PM

A Polícia Militar informa que as fotos são enviadas, como em inúmeras outras situações anteriores publicadas, por internautas ou selecionadas por outras mídias sociais, de caráter público. A farda simboliza valores fundamentais para a comunidade, tais como: o patriotismo, a proteção, o civismo, a honestidade, a honra, a coragem e a dignidade humana.

Também simboliza o juramento, o sacrifício, muitas vezes da própria vida, representado pelos 7 policiais militares assassinados em 35 dias nesse ano, em prol do bem comum, ato nobre nos países mais desenvolvidos, pois é símbolo de orgulho para tais sociedades.

Nota: O site optou por desfigurar a imagem da criança para evitar eventuais problemas pela divulgação. #Internet #Casos de polícia