As fortes chuvas que atingiram o interior e a Grande São Paulo nos dias 10 e 11 de março, fizeram vinte mortos em Mairiporã, Francisco Morato, Guarulhos, Cajamar, Itapevi, Franco da Rocha e Atibaia, além de deixar outras cinco pessoas desaparecidas em Mairiporã.

Famílias inteiras ficaram desabrigadas, por morarem em regiões com risco de deslizamento de terra, e muitas outras tiveram a maioria de seus pertences dados como inservíveis, por terem sido cobertos pela água e lama que invadiu as residências durante a chuva.

Cerca de 40% do total das chuvas esperadas para o mês caíram nas regiões em apenas uma madrugada, causando tantos transtornos e estragos repentinamente.

Publicidade
Publicidade

Na sexta-feira, o Aeroporto Internacional de Guarulhos permaneceu interditado por seis horas, enquanto estações da CPTM (Companhia Paulista de Tens Metropolitanos) ficaram alagadas. Os rios Pinheiro e Tietê, que cortam a capital paulista, transbordaram.

Congregação de Itaquaquecetuba

A casa de oração da Vila Japão, em Itaquaquecetuba/SP, foi afetada pela enchente que atingiu a região neste temporal. Até o momento, não temos informações se a água causou estragos consideráveis dentro da igreja ou se a mesma possuía barreiras de contenção.

Em todo o caso, inúmeras famílias e casas foram atingidas pela água na região de Itaquaquecetuba.

Sala de Oração em Caieiras

Em Caieiras/SP, a situação foi bastante semelhante. Uma sala de oração da Congregação Cristã no Brasil, localizada no bairro no Jardim Marcelino foi atingida por um deslizamento de terra.

Publicidade

Vídeos publicados na internet e divulgados nas redes sociais mostraram os estragos causados:

A penetração da grande quantidade de água no solo causa desestabilização do mesmo, o fazendo deslizar e devastar o que encontrar pelo caminho se não houver a drenagem necessária para a água dar vasão.

Em situações de risco como estas causadas pelas tempestades de quinta para sexta-feira, o ideal é que as pessoas não se arrisquem atravessando, sem a devida proteção, grandes volumes de água, a fim de não serem levadas pela correnteza. Moradores de regiões de risco de desmoronamento também estar atentas e abandonar o local ao menor sinal de perigo. #Chuvas Torrenciais