Em outubro de 2014, uma notícia publicada pelo jornal Diário do Grande ABC pegou de surpresa os sócios da Associação Desportiva Classista (ADC) General Motors, o clube recreativo para funcionários da montadora com sede na cidade de São Caetano do Sul. Segundo a reportagem, a empresa havia solicitado a devolução do espaço utilizado pelo clube na avenida Goiás. O mesmo pertence à companhia que não tem vínculo jurídico com a ADC. 

O terreno, avaliado em mais de R$ 120 milhões, virou alvo de especulação política. Integrantes da prefeitura são-caetanense afirmaram que a administração municipal compraria o local para a construção de uma escola.

Publicidade
Publicidade

Outros acreditavam que ali seria erguida uma unidade do SESI.

Diante de uma mobilização dos sócios, a montadora adiou a retomada do terreno, mas o problema não foi resolvido. No início de 2015, a imprensa local voltou a anunciar que o fechamento do clube estava próximo. No mês de novembro daquele mesmo ano, o complexo que foi erguido com a contribuição de funcionário da GM completou 80 anos de existência, mas a história não foi suficiente para garantir sua sobrevivência.

Neste ano de 2016, no final de janeiro, piscina e demais equipamentos tiveram sua utilização interrompida. Os sócios foram avisados de que apenas as secretarias funcionariam normalmente. Até mesmo o famoso carnaval "azul e branco" foi suspenso. Restou como opção a sede campestre localizada no distrito de Riacho Grande, em São Bernardo do Campo.

Publicidade

No próximo dia 31 de abril, o processo de devolução do espaço para a GM será concluído e o clube totalmente desativado. Aos jornais, a montadora não teceu comentários a respeito do futuro do terreno.

Em artigo publicado no jornal Valor Econômico, sindicalistas de São Caetano acreditam que o local receberá investimentos para ampliação do centro tecnológico da empresa ou, o que é muito provável segundo eles, será vendido para construção de empreendimentos imobiliários engordando o caixa da empresa nesses tempos de crise econômica e queda das vendas de automóveis. #Negócios #Grande ABC