A Agulhas Negras, concessionária de veículos da marca BMW localizada no bairro Rudge Ramos, em São Bernardo do Campo, anunciou em seu perfil na rede social Facebook e também por meio da imprensa que realizará uma ação de vacinação gratuita contra a gripe H1N1, no dia 16 de abril das 9h às 18h

O atendimento será realizado por ordem de chegada e organizado em parceria com uma clínica médica particular. De acordo com a empresa, milhares de doses serão distribuídas. 

Em entrevista ao site de notícias do grupo O Globo, Edcarlos Paulino, gerente da Agulhas Negras, indicou que o investimento feito faz parte do orçamento do departamento de marketing. 

A princípio, as doses seriam aplicadas nos funcionários da empresa e clientes da marca.

Publicidade
Publicidade

A direção resolveu então estender o benefício à população. 

Para o executivo, a falta de vacinas contra H1N1 chamou a atenção da companhia que viu nessa ação um ato de solidariedade em torno da epidemia que já afetou centenas de pessoas e fez dezenas de vítimas fatais.

A primeira campanha de vacinação da Agulhas Negras foi realizada na unidade de São Paulo, no último dia 7, na avenida 23 de maio. Diante da grande repercussão, a concessionária de São Bernardo terá uma quantidade extra. O número total de doses não foi divulgado. 

A concessionária Agulhas Negras está localizada na avenida Dr. Rudge Ramos, nº 837. Para quem utiliza transporte público, diversas as linhas municipais operadas pela SBCTrans. Moradores de outras cidades do #Grande ABC também podem comparecer para receber a vacina no dia 16. Segundo a organização, o ideal é chegar com duas horas de antecedência. 

O escritório central da BMW no Brasil divulgou por meio de uma nota oficial que a marca não possui vínculo com a campanha.

Publicidade

Essa é uma ação independente da loja. 

Críticas e elogios

Na internet, em especial nas redes sociais, o gesto da concessionária foi muito elogiado. Internautas que apoiam a campanha acreditam que outras empresas deveriam ter a mesma preocupação.

Quem é contra, acredita que se trata apenas de uma ação de marketing e que o poder público é que deveria ser o provedor das vacinas.