Um grupo de manifestantes formado por estudantes de escolas públicas e cursos técnicos invadiu, nesta quinta-feira (28), o Centro Paula de Souza, localizado na Avenida Paulista, região central de São Paulo. O grupo reivindicava contra a máfia da merenda, além dos cortes para educação. Os estudantes se reuniram para a caminhada que teve início no Masp e foram até a Avenida Brigadeiro Luis Antônio.

polícia agiu usando spray de pimenta contra os manifestantes.  Annie Zanetti, repórter da rádio CBN que cobria o manifesto foi atingida no rosto. A repórter recebeu atendimento médico e passou por exames. De acordo com Annie, ela filmava toda a ação dos estudantes quando passou a filmar também os policiais, que segundo a repórter faziam uso de gás de pimenta e de cassetetes.

Publicidade
Publicidade

De acordo com seu relato, neste momento um policial passou e a atingiu no rosto e na orelha.

A assessoria de imprensa da Polícia Militar respondeu afirmando que o uso de gás de pimenta está em desacordo com o procedimento para este padrão e que os fatos serão averiguados. 

O Centro Paula de Souza confirmou através de nota que foi enviado a eles pelos estudantes, um documento com reivindicações. De acordo com a nota, os itens incluíam democratização, terceirização, merenda e outros mais. O Centro relatou que foi proposto uma conversa com os estudantes, mas até então não tiveram retorno.

Secretaria de Educação do Estado disse em nota, que está colaborando com as investigações e se sente vítima da Operação Alba Branca (operação que apura a fraude na merenda escolar). 

Máfia da merenda

Alunos afirmam que algumas escolas estão sem receber merenda, depois que a investigação da Polícia Civil junto com o Ministério Público descobriu o esquema de fraudes na merenda escolar.

Publicidade

O ato de reivindicar foi combinado em redes sociais, onde os manifestantes afirmam que além dos desvios de verbas públicas, as escolas sofrem com fechamento de salas e turnos. Na página do evento no Facebook, o texto afirma que o #Governo desrespeita continuamente os professores de escolas públicas no Brasil. #Escola #Casos de polícia