A Mercedes-Benz, montadora alemã responsável pela fabricação de automóveis, ônibus e caminhões, foi condenada a efetuar um pagamento mensal, de caráter vitalício, para um de seus ex-colaboradores da fábrica localizada em São Bernardo do Campo, na região metropolitana de São Paulo. 

De acordo com o texto da ação registrada na 3º Vara de #Justiça do Trabalho daquele município, o funcionário trabalhava em uma posição desconfortável que teria causado hérnia de disco e outros problemas de saúde, levando a uma incapacidade parcial e permanente de movimentos.

O ponto de partida da processo judicial foi um relatório de uma vistoria realizada no local que registrou as características do ambiente de trabalho.

Publicidade
Publicidade

O operário, que atuava inicialmente como revisor final de veículos, e depois foi promovido a revisor líder, deixava sua coluna cervical exposta a um esforço extra, permitindo então a conclusão por parte da perícia de que aquela condição possibilitou o trauma e não apenas o desencadeou. 

O caso foi levado ao Tribunal Regional de Trabalho que entendeu que a empresa deve efetuar o pagamento mensal, calculado em 20% em cima do último salário, como uma forma de pensão vitalícia complementar ao INSS. Os valores exatos não foram divulgados. O nome do funcionário também foi preservado.

A Mercedes-Benz recorreu então ao Tribunal Superior do Trabalho, em Brasília, por entender que a companhia sempre demonstrou preocupação com a saúde de seus funcionários e que segue à risca os procedimentos de segurança em todas as suas unidades do Brasil, especialmente na fábrica de São Bernardo, a primeira instalada no país. 

A ministra Kátia Arruda, responsável pela relatoria do processo, confirmou a decisão da justiça paulista, demonstrando que houve total culpa por parte do empregador, visto que os danos sofridos à coluna do trabalhador têm íntima ligação com as condições de execução de sua atividade como revisor de veículos daquela empresa.

Publicidade

A decisão do TST se deu de forma unânime e nessa etapa não cabe mais recurso.  #Negócios #Grande ABC