A montadora Toyota anunciou nesta semana que engavetou o projeto de investimento da ordem de R$ 30 milhões na unidade de Sorocaba, no interior paulista, para receber a linha de produção do Corolla, ampliando a fabricação do sedã que atualmente é feita apenas em Indaiatuba.

A decisão de cortar o investimento foi baseada na falta de perspectiva de melhora nas vendas no mercado nacional. 

Pelo mesmo motivo, a direção da empresa desistiu de produzir o modelo híbrido Prius na fábrica de São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo. A unidade daquele município foi a primeira construída fora do Japão, em 1960, mas desde 2001 nenhum veículo é produzido no local, o que implicaria em custos de adaptação e atualização da planta. 

Durante um evento organizado pelo site Automotive Business, o vice-presidente da Toyota, Miguel Fonseca, afirmou que a empresa também vai aguardar para investir o restante dos R$ 100 milhões anunciados em 2015.

Publicidade
Publicidade

O executivo teme que o aumento na capacidade produtiva gere estoque ocioso. Ainda segundo Fonseca, os projetos estão prontos, mas a execução depende do mercado. 

Tecnologia

Fora do Brasil, a Toyota segue investindo em tecnologia. Nesta semana, a empresa anunciou uma parceria com a Microsoft e a criação da Toyota Connected, responsável pelo desenvolvimento de novas tecnologias para utilização nos automóveis. 

Sistemas de navegação e conectividade entre veículos estão entre os principais ideias em andamento.

Recentemente, a Ford também inaugurou uma empresa semelhante voltada para projetos de mobilidade urbana. 

Mitsubishi

A unidade da Mitsubishi na cidade de Catalão, Goiás, abriu um programa de demissão voluntária para tentar enxugar o quadro de funcionários. 

A queda na venda de veículos obrigou a empresa a parar a produção por dois dias da semana, mas a solução adotada, programada até junho, não é suficiente para reduzir os custos.

Publicidade

Somente em 2016 mais de 1,4 mil operários foram demitidos pela companhia. A área administrativa foi a única que não sofreu mudanças até o momento.  #Negócios #Crise econômica #Grande ABC