As autoridades portuguesas detiveram quinze pessoas durante os festejos do título por parte de milhares de benfiquistas, mas pelo menos duas ficaram feridas devido a artefatos explosivos. Tal como informa o jornal “Correio da Manhã”, o caso mais grave foi de um jovem português de 28 anos que, ao sair do café onde assistiu ao jogo, para festejar a enorme conquista, fez explodir um rojão na sua mão esquerda, antes mesmo de o conseguir lançar. O resultado foi a amputação de três dos seus dedos, ficando gravemente ferido, apesar de não correr riscos de vida.

Normalmente as festas de uma conquista tão grande como foi a do Benfica deveriam ser muito animadas e alegres, mas por vezes o entusiasmo e a falta de cuidado na medição dos perigos faz com que muitas pessoas corram perigo de vida durante os festejos.

Publicidade
Publicidade

Foi precisamente o que aconteceu a um jovem português que não soube lançar o explosivo e quase morreu no local.

Como informou as autoridades ao jornal “Correio da Manhã”, o jovem está no hospital e, apesar das lesões serem muito graves, principalmente na sua mão esquerda, a verdade é que o jovem não corre nenhum risco de vida. Tal como informa a publicação, em uma outra cidade, também um menor sofreu várias queimaduras ligeiras por causa de um artefato explosivo durante a enorme festa do Benfica, que durou várias horas e aconteceu um pouco por todo o mundo.

Quanto às detenções realizadas pelas autoridades portuguesas, que no total foram quinze, nenhuma delas provocou grandes confusões, sendo que, apesar dos dois incidentes, a festa correu relativamente dentro da normalidade, tendo sido mesmo considerada “tranquila” pelas autoridades competentes.

Publicidade

Na verdade, a carga policial de ontem foi muito superior em relação ao ano passado, tentando ao máximo evitar o que precisamente aconteceu em 2015, onde um grupo perturbou a festa, atirando pedras e outros objetos aos benfiquistas e às autoridades presentes, que tiveram que terminar os festejos antecipadamente por questões de segurança. #Europa #Investigação Criminal #Casos de polícia