O que não passava de rumores dias atrás se confirmou nesta segunda-feira (17): cobradores e motoristas de ônibus da cidade de São Paulo prometeram parar os terminais de ônibus mais importantes nesta quarta-feira (18) e quinta-feira (19).

Segundo informações do sindicato da categoria, Sindmotoristas, as paralisações serão programadas da seguinte forma:

Na quarta: entre 10h e 12h;

Na quinta: entre 14h e 16h.

Prenúncio de greve

Esta paralisação programada, ao que tudo indica, pode ser o indício de uma #Greve que se aproxima, caso os trabalhadores não sejam atendidos em suas reivindicações. A categoria de motoristas e cobradores de ônibus está em campanha salarial, e pleiteia um reajuste de 5%.

Publicidade
Publicidade

Além disso, eles buscam a correção do salário de acordo com os índices de inflação, PLR (Participação nos Lucros e Resultados) de R$ 2.000, auxílio funeral, convênio médico gratuito e seguro de vida.

Sindicato patronal não sinaliza acordo

Do outro lado da moeda, o SPUrbanuss (sindicato patronal) se dispôs a reajustar o salário da categoria em apenas 2,31%, o mesmo equivale ao aumento do ticket refeição.

Assessores do Sindmotoristas afirmaram que na próxima segunda-feira (23) será realizada assembleia para que o indicativo de greve seja votado.

O entrave

De acordo com a SPUrbanuss, um reajuste maior do que o proposto é inviável. Isto porque seria necessário também um reajuste na chamada "tarifa-remuneração" das empresas, tarifa esta que é paga pela prefeitura municipal de São Paulo.

Em matéria do jornal Folha de S.

Publicidade

Paulo, foi noticiado que a prefeitura da cidade pagou às empresas de ônibus cerca de R$ 1,7 bilhão em subsídios, valor que deve chegar a R$ 2,1 bilhões ainda neste ano.

De acordo com as informações disponibilizadas no jornal, este subsídio ocorre, pois, os valores pagos na passagem não são suficientes para quitar os custos do transporte “público”, haja vista que gratuidades para estudantes e idosos, por exemplo, são arcadas pela administração pública.

 Ao que tudo indica, o impasse acarretará em mais uma greve no transporte público em São Paulo. #sistema de saúde