Um prédio da presidência da república localizado entre a Avenida Paulista e Rua Augusta, no centro de São Paulo, foi invadido por membros do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto).

A invasão foi divulgada em primeira mão pelo próprio representante do grupo de invasores, Guilherme Boulos, através do Facebook. O grupo está revoltado com o novo #Governo, que fez cortes no programa Minha Casa, Minha Vida.

Guilherme Boulos anunciou que várias ocupações serão realizadas por trabalhadores da periferia de São Paulo. A maior parte dos invasores não trabalha, por isso dispõe de tempo livre o suficiente para participar dos atos de ocupação ilegal dos prédios públicos.

Publicidade
Publicidade

O grupo vai ainda mais longe e promete montar acampamentos na Avenida Paulista. Nas últimas vezes que manifestantes bloquearam a Paulista para algum ato, contra ou a favor ao ex-governo petista, a Polícia Militar foi acionada para retirá-los do local. Normalmente, movimentos como o MTST não abandonam pacificamente os locais onde estão acampados, sendo necessária a força policial.

Na pauta de reclamações do MTST também está uma suposta repressão feita contra o grupo que realizou um protesto violento em frente a casa do presidente interino, #Michel Temer. Na ocasião, Temer conferiu uma declaração pública em que repudiou os manifestantes que assustaram sua família com o ato.

Para finalizar, o grupo liderado por Boulos deixa claro que não irão recuar, mesmo com 'porrada' ou com ação repressiva da polícia militar do estado de São Paulo.

Publicidade

Há algumas semanas o MST (Movimento dos Sem Terra), invadiu uma fazenda no interior paulista, do qual a propriedade é de um amigo de Michel Temer. No local os invasores picharam paredes, furtaram bens e mataram gados.

Esse tipo de cenário de caos e destruição é comumente encontrado após a desocupação dos locais onde passam os grupos sociais que eram beneficiados pelo governo de Dilma Rousseff.

Quanto a invasão no prédio de São Paulo, não houve nenhuma nota oficial do governo federal até o fechamento dessa matéria. #Crime